Parceira do WikiLeaks quer processar Visa e MasterCard

Diretor promete buscar compensação pelos danos provocados pelo cancelamentod e doações

AE, Agência Estado

09 de dezembro de 2010 | 09h29

A empresa que processa pagamentos para o site WikiLeaks informou hoje que pretende ir à Justiça contra as empresas de cartões de crédito Visa e MasterCard pela negativa delas em processar doações do site, que tem como meta vazar documentos secretos.

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

Ontem, hackers realizaram ataques contra os sites da Visa, da MasterCard, de promotores suecos e de um banco suíço. O site da ex-candidata republicana à presidência dos Estados Unidos Sarah Palin também foi atacado.

O diretor-geral da empresa islandesa DataCell, Andreas Fink, disse que buscará uma compensação pelos danos provocados pelas companhias financeiras norte-americanas, por sua decisão de

bloquear a doação de fundos para o WikiLeaks.

 

 "É difícil acreditar que uma empresa tão grande como a Visa possa tomar uma decisão política", disse Fink por telefone, falando da Suíça. Em um comunicado anterior, sua empresa defendeu o site e disse: "É simplesmente ridículo pensar que o WikiLeaks cometeu um crime."

O WikiLeaks tem sofrido forte pressão desde que começou, na semana passada, a publicar cerca de 250 mil documentos diplomáticos do Departamento de Estado norte-americano.

O site já sofreu ataques virtuais e ameaças contra seu fundador, Julian Assange, que se encontra agora em uma prisão britânica, lutando contra uma possível extradição para a Suécia, onde foi acusado de abusos sexuais.

Um provedor de servidor de internet norte-americano e várias empresas financeiras cortaram suas relações com o site, algumas alegando violações dos termos de uso. Durante a semana, a Visa e a MasterCard afirmaram que deixariam de processar os pagamentos para o WikiLeaks, ainda que não tenham dado uma explicação detalhada para sua decisão.

Os partidários do grupo condenaram a medida e lembraram que organizações ainda mais controvertidas, como a norte-americana Ku Klux Klan e o Partido Nacional Britânico, de ultradireita, utilizam os serviços da Visa e da MasterCard.

A MasterCard não respondeu aos pedidos para que divulgasse sua opinião. Um porta-voz da Visa Europe disse que as organizações podem receber recursos por meio da Visa sempre e quando sejam legais e não rompam as regras de operação da empresa. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
WikiLeaksprocessoVisaMasterCard

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.