Parciais apontam vitória de presidente em eleição de Angola

José Eduardo dos Santos, do MPLA, teria 74% dos votos e já não poderia ser alcançado por Isaías Samakuva, da Unita, com 18%.

João Fellet, BBC

01 de setembro de 2012 | 15h57

Dados preliminares divulgados pela comissão eleitoral de Angola indicam que o presidente José Eduardo dos Santos, do MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola), confirmou seu favoritismo e se elegeu para um novo mandato de cinco anos.

Às 17h30 locais (13h30 de Brasília), com cerca de 70% das urnas apuradas, Dos Santos tinha 74% dos votos e já não podia mais ser alcançado pelo segundo colocado, Isaías Samakuva, da Unita (União Nacional para a Independência Total de Angola), com 18%.

A Casa-CE (Convergência Ampla para a Salvação de Angola - Coligação Eleitoral), partido fundado há quatro meses após um racha na Unita, ocupava a terceira posição, com 5%.

Na eleição, nove partidos concorreram com listas fechadas de candidatos.

O primeiro da lista do partido mais votado se tornará presidente, e a proporção dos votos determinará a composição da Assembleia Nacional.

Encabeçando a lista do MPLA, Dos Santos será eleito pela primeira vez, embora ocupe a Presidência angolana há 33 anos. No único pleito presidencial anterior, em 1992, a disputa foi suspensa antes de Dos Santos disputar o segundo turno com o então líder da Unita, Jonas Savimbi.

A ampla vantagem do MPLA em algumas províncias gerou críticas entre ativistas contrários ao governo, que denunciaram a ocorrência de fraudes.

No Cunene, região sul do país, a sigla obtinha mais de 90% dos votos, contra 5% da Unita. Em dois municípios da província (Cahama e e Curoca), o MPLA recebeu mais de 96% dos votos.

"Que democracia é esta? Onde já se viu um partido vencer com 91% numa província?", questionou, no Facebook, o grupo Rádio Cultura Angolana.

Até a véspera da eleição, a oposição buscava adiar o pleito, alegando que não havia garantias de que o processo seria transparente. A Comissão Nacional Eleitoral (CNE), no entanto, rejeitou o pedido.

Na sexta-feira, o líder da Unita, Isaías Samakuva, disse que tentaria anular as eleições na Justiça.

Embora as parciais já indiquem uma vitória com grande margem para o MPLA, o partido deverá ter desempenho pior que na última eleição, em 2008, quando obteve 82% dos votos.

À época, a Unita afirmou que houve fraude e ameaçou tentar anular o resultado judicialmente, mas acabou por reconhecer a derrota. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
topangolaeleicoesdesorganizacaournas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.