Parente confirma Gros na presidência da Petrobras

O ministro chefe da Casa Civil, Pedro Parente, confirmou no fim da manhã de hoje que o atual presidente do BNDES, Francisco Gros, assumirá a presidência da Petrobras no lugar de Henri Phillipe Reichstul, que comunicou ontem seu afastamento do cargo. Segundo Parente, o assunto já era do conhecimento do presidente Fernando Henrique Cardoso há algum tempo, quando Reichstul manifestou a vontade de sair da presidência da estatal por razões pessoais."Acreditamos que não haverá nenhuma solução de continuidade para a Petrobras. Lamentamos a saída de Reichstul, que fez um excelente trabalho", afirmou. Parente disse que Gros deverá assumir a presidência da Petrobras até o início do próximo ano.O ministro disse também que caberá ao ministro do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, a indicação do substituto de Gros à frente do BNDES. "Qualquer que seja o nome indicado para o BNDES, a pedido do senhor presidente, ele fará um trabalho de forma integrada para resolver os problemas de energia", afirmou. Segundo Parente, Francisco Gros não deverá continuar conduzindo os trabalhos no grupo de revitalização do modelo do setor elétrico, como tem feito até o momento.Amaral definirá presidente do BNDESO ministro do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, disse hoje que irá sentir "a perda de um grande colaborador", referindo-se à saída de Francisco Gros da presidência do BNDES para assumir o cargo de presidente da Petrobras, com a saída de Henri Philippe Reichstul. Amaral disse que decidirá ainda esta semana com o presidente Fernando Henrique Cardoso o nome do substituto de Gros.O ministro deu essas declarações ao chegar ao Ministério de Minas e Energia para participar da reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). Ele estava acompanhado de Francisco Gros, que limitou-se a dizer que havia recebido uma sondagem. "O Banco é um lugar maravilho e, por enquanto, eu aguardo o desenrolar dos acontecimentos". Gros também participa da reunião do CNPE.A assessoria do presidente do BNDES, Francisco Gros, comentou no Rio de Janeiro que, nos últimos meses, ele demonstrava entusiasmo com o projeto de mudanças na gestão do BNDES introduzidas pelo novo plano estratégico da instituição. Ainda segundo a assessoria, Gros gostaria que tal projeto tivesse continuidade mas, em nenhum momento, condicionou a aceitação do convite para a presidência da Petrobras à possibilidade de indicar o seu sucessor no BNDES.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.