AFP PHOTO / JUAN BARRETO
AFP PHOTO / JUAN BARRETO

Parentes culpam governo por incêndio que matou 68 em prisão na Venezuela

Centenas de parentes dos mortos foram buscar informações sobre as vítimas e entraram em confronto com a polícia venezuelana na porta do presídio; cadeia construída para abrigar 60 detentos tinha mais de 200

O Estado de S.Paulo

29 Março 2018 | 20h57

VALENCIA, VENEZUELA - Como a maioria dos presídios na Venezuela, a prisão do Comando da Polícia do Estado de Carabobo, na cidade de Valencia, também estava superlotada. Construída para comportar 60 presos, continha 200. Foi nessas condições que um incêndio matou 68 pessoas na noite da quarta-feira 28

+ Apagões e racionamento atingem ao menos seis Estados na Venezuela

Nesta quinta-feira, 29, centenas de parentes dos mortos foram para a porta do presídio pedir explicações sobre o caso e culpavam, juntamente com políticos opositores e organizações de direitos humanos, o regime do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pelas más condições em que o local estava.

Ainda durante a manhã da quarta-feira, um guarda foi ferido a facadas e feito refém por um grupo de presos que ameaçaram matá-lo. Enquanto isso, outros presidiários colocaram fogo em colchões.

 

O fogo se espalhou rapidamente e bombeiros fizeram buracos nas paredes das celas para que a fumaça se dissipasse. Mas, durante a noite, 66 homens e 2 mulheres, que estavam no local visitando parentes, morreram. Dezenas ficaram feridas. 

+ Líder opositor diz ao ‘NYT’ que ‘janela eleitoral se fechou’ na Venezuela

Nesta quinta-feira, as famílias que faziam fila na porta da prisão desde a madrugada para obter informações sobre o ocorrido entraram em confronto com policiais, que atiraram gás lacrimogêneo e balas de borracha contra a multidão. No fim da manhã, uma policial começou a chamar as pessoas e dizer quem havia morrido. 

Em seguida, ela leu nomes dos sobreviventes. “Olha, eu ainda nem tomei café da manhã. Então, tenham calma. Esses são os nomes que tenho”, concluiu. 

Silêncio.

Cobradas, as autoridades venezuelanas quase não comentaram a tragédia. Pelo Twitter, o presidente Maduro escreveu sobre o feriado da Páscoa e um encontro com o ator Danny Glover, mas não citou o incêndio na prisão. 

O governador de Carabobo, Rafael Lacava, divulgou um comunicado prometendo investigar o incêndio e melhorar a situação dos presídios, mas não detalhou o que poderia ser feito. 

A oposição, por outro lado, falou do caso e criticou o silêncio do chavismo. “Diante da tragédia e da dor com o que aconteceu em Carabobo, o silêncio e a insolência do governo indicam a procura por desculpas para esconder sua óbvia responsabilidade”, disse Omar Barboza, presidente da Assembleia Nacional, dominada pela oposição, mas sem poder efetivo desde a instituição da Constituinte. 

Rebeliões e mortes são comuns nas prisões mais precárias da Venezuela, onde presos têm acesso a armas e drogas. No entanto, o número de mortos no incêndio em Valencia o torna o pior em mais de 20 anos. / NYT e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.