Parentes de tripulação de navio sul-coreano protestam

Parentes dos tripulantes desaparecidos do navio militar sul-coreano Cheonan, que afundou em uma região de fronteira entre a Coreia do Sul e Coreia do Norte após uma explosão na sexta-feira, protestam contra a falta de informação sobre as causas do acidente.

AE-AP, Agência Estado

27 de março de 2010 | 10h03

Cerca de 150 familiares de pessoas que estavam a bordo da embarcação passaram pelos seguranças da base naval de Pyeongtaek, ao sul de Seul, para exigir explicações das autoridades militares. Alguns deles, gritando "mentirosos", subiram no carro do capitão do Cheonan - que foi encontrado e salvo pelas equipes de resgate - enquanto ele dirigia o veículo para fora da base.

Segundo informações oficiais, o navio teria afundado após uma explosão cuja causa ainda não foi identificada. Até o momento, 58 tripulantes foram resgatados, mas ainda há 46 desaparecidos. Alguns tripulantes que foram salvos pelas equipes de resgate disseram aos familiares que o navio estava precisando de reparos. Há rumores de que o navio teria sido atingido por uma mina submarina. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Sulnaufrágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.