Paris considera "negativa" instalação de novas centrífugas

A França considerou nesta sexta-feira um "sinalnegativo" a instalação pelo Irã de uma segunda cascata decentrífugas para enriquecer urânio, em meio às conversas no Conselhode Segurança da ONU sobre um projeto de sanções. "Não é uma surpresa", mas é "um sinal negativo que teremos quelevar em conta" na avaliação do dossiê, disse o porta-voz doMinistério de Exteriores francês, Jean-Baptiste Mattei. O porta-voz disse que continua aberta a possibilidade de umasaída negociada, se Teerã mudar de atitude, mas que a prioridade é aação no Conselho de Segurança. Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (EUA,Rússia, China, França e Reino Unido) e a Alemanha começaram naquinta-feira a negociar sobre um texto elaborado pelos três europeuse que prevê sanções ao Irã, que não atendeu ao pedido do órgão daONU de suspender o enriquecimento de urânio. As conversas entre os seis países continuarão na próxima semana,disse o porta-voz francês, que ressaltou que as medidas propostassão seletivas, já que estão direcionadas contra os programas nucleare de mísseis balísticos do Irã. Na cidade chinesa de Wuhan, onde está nesta sexta-feira em visita oficial, opresidente francês, Jacques Chirac, disse que nunca foi "grandepartidário das sanções" e que prefere o "diálogo". Mas, se o diálogo não prosperar, seriam necessárias sanções"adaptadas, provisórias e reversíveis", disse Chirac à imprensa, queacrescento que "neste caso particular", é evidente que "a ambição"do Irã no âmbito nuclear "não é compatível com a idéia que temos danão-proliferação".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.