AFP PHOTO/BRENDAN SMIALOWSKI
AFP PHOTO/BRENDAN SMIALOWSKI

Paris detém repórteres da Al-Jazira com drone

Jornalistas não têm ligação com os recentes voos de aviões não tripulados, mas prisão mostra temor de ataques

Andrei Netto, correspondente / Paris , O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2015 | 20h18

PARIS - A polícia francesa prendeu nesta três jornalistas da TV Al-Jazira, do Catar, que estavam com um drone em um parque de Paris. A prisão ocorreu após a capital francesa viver uma segunda noite de buscas às aeronaves não tripuladas que têm sido flagradas registrando imagens de pontos estratégicos de Paris. A polícia disse que os jornalistas não têm nenhuma relação com os drones que têm sobrevoado Paris, mas a prisão destaca o grau de preocupação das autoridades com a possibilidade de que as imagens gravadas possam ser usadas em atentados terroristas.

As autoridades também confiscaram o drone de um restaurador parisiense após denúncias de vizinhos. Apesar de o caso também não estar vinculado aos drones suspeitos, o restaurador teve de prestar declarações a um juiz.


Drones foram identificados na noite de terça-feira pelo menos cinco novas vezes sobrevoando estações férreas, locais turísticos e imediações de prédios institucionais, como o Palácio do Eliseu e o Senado. Seus pilotos novamente não foram localizados, mas, desta vez, os aparelhos foram filmados pela Gendarmeria dos Transportes Aéreos, o que deve permitir avanços na investigação.

O primeiro dos voos foi verificado no final da noite de terça-feira, por volta de 23h30, na Gare de l’Est, uma das estações de trens de alta velocidade que ligam a capital a cidades da região de Estrasburgo, no leste no país. A aeronave foi localizada pela polícia e acompanhada por grandes avenidas, passando pela Bolsa de Valores de Paris, até que sua pista foi perdida.

Entre 0h10 e 0h47, um aparelho – que pode ser o mesmo – sobrevoou a região central da capital, passando pelos Jardins de Tulherias, junto ao Museu do Louvre, pela Assembleia Nacional e pela Torre Eiffel. O mesmo drone ou outro cruzou mais uma vez as imediações da embaixada dos Estados Unidos, o Palácio do Eliseu e o Ministério das Relações Exteriores, na Praça da Concórdia. No mesmo momento, por volta de 0h45, uma aeronave não tripulada foi identificada próximo às estações de trem de Austerlitz e de Lyon. Por fim, por volta de 2h15, um aparelho foi localizado nas imediações da Torre Montparnasse, voando a seguir em direção ao Senado.

As imagens foram analisadas pelos investigadores ontem e são, por ora, uma das principais pistas das autoridades para entender os misteriosos voos sobre áreas estratégicos da França desde 2014, quando 17 usinas nucleares foram monitoradas pelos aparelhos. Segundo o jornal Libération, a Segurança Nacional confirmou que tem dificuldades de monitorar drones de menos de 150 quilos voando em baixa altitude e destruí-las.

Tudo o que sabemos sobre:
dronesParisjihadismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.