AP Photo/Michel Euler
AP Photo/Michel Euler

Paris reforça segurança na Torre Eiffel após ação do Greenpeace

Medidas adicionais foram acionadas após uma dúzia de ativistas do grupo escalar o famoso monumento da capital francesa e pendurar faixa com o lema nacional do país e uma mensagem contra a líder da extrema direita Marine Le Pen

O Estado de S.Paulo

05 Maio 2017 | 11h09

PARIS - O chefe de polícia de Paris convocou uma reunião de segurança emergencial nesta sexta-feira, 5, dois dias antes do segundo turno da eleição presidencial francesa, depois que ativistas do Greenpeace escalaram a Torre Eiffel em plena luz do dia e abriram uma enorme faixa com mensagem política.

Uma dúzia de ativistas do grupo escalou a face norte da imensa estrutura de metal, um dos pontos turísticos mais visitados do mundo, para pendurar uma faixa com o lema nacional da França, "Liberdade, Igualdade, Fraternidade".

O incidente expôs as preocupações existentes com a segurança, apesar de o país estar mobilizando policiamento adicional para o domingo, dia da votação, com a convocação de milhares de policiais e soldados em reação aos ataques de militantes islâmicos que mataram mais de 230 pessoas na França nos últimos dois anos e meio.

"Acima e além dos motivos, este golpe publicitário, no clima atual, expõe falhas no esquema de segurança da Torre Eiffel", disse o chefe de polícia, Michel Delpuech.

Ao menos 70% dos 47 milhões de eleitores franceses devem ir às urnas durante o domingo para votar em uma disputa na qual se prevê que o político de centro Emmanuel Macron irá derrotar a líder de extrema direita, Marine Le Pen.

A reunião entre a polícia, a câmara municipal de Paris e a empresa que gerencia o célebre monumento decidiu pelo reforço "imediato dos meios humanos presentes no centro de supervisão" da torre, de acordo com um comunicado. Também aumentaram de duas a cinco o número de equipes com cães, tanto sobre o terreno como nos diversos andares, e revisaram sua doutrina de intervenção a favor de uma maior reatividade.

O comunicado indica que a maior parte destas medidas são de aplicação imediata e estão destinadas a incrementar "de forma consequente" a segurança da torre à espera do dispositivo permanente previsto para 2018, que inclui um muro de vidro à prova de balas que rodeará todo o monumento.

Os ativistas do Greenpeace foram detidos para interrogatório, disseram fontes da polícia. Abaixo do slogan republicano francês, em letras negras grandes, estava a palavra "Resista", uma mensagem dirigida contra Le Pen e seu partido.

O Greenpeace informou que uma dúzia de ativistas participou do ato erguendo uma faixa de 300 metros quadrados perto das 7h45 locais, portanto antes do início do horário de funcionamento da torre, mas bem depois do amanhecer nesta época do ano.

"Queríamos dizer que somos contra a ascensão do nacionalismo e do autoritarismo na França e em outros países", disse o diretor do Greenpeace francês, Jean-François Julliard, à rádio pública Francinfo. O ato ocorreu no último dia da campanha. Os resultados preliminares da votação devem surgir por volta das 20h locais ainda no domingo. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.