Park quer diálogo com Pyongyang, mas não com Tóquio

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, não é de conceder muitas entrevistas, mas antes de partir para a Europa para uma série de eventos, ela conversou com a mídia francesa e britânica sobre seus nove meses no poder, segundo o blog do The Wall Street Journal.

Agência Estado

04 de novembro de 2013 | 09h01

Park falou principalmente sobre relações internacionais, inclusive com a Coreia do Norte e o Japão. Mas o que chamou a atenção foi o fato de ela ter demonstrado interesse em se reunir com o ditador norte-coreano, Kim Jong Un, mas não com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

"Estamos prontos para ajudar a Coreia do Norte", disse Park ao jornal francês Le Figaro, em entrevista publicada na sexta-feira. "Minha posição é que posso me encontrar (com Kim) a qualquer momento se for necessário promover relações intra-coreanas e a paz na Península Coreana", acrescentou.

As duas Coreias realizaram cúpulas em duas ocasiões - em 2000 e 2007 -, mas elas foram marcadas pela polêmica causada pela exigência do Norte de receber pagamento para participar das reuniões. O antecessor de Park, Lee Myung-bak, revelou ter feito contatos com Pyongyang para possíveis reuniões durante seu mandato, mas que acabaram não dando em nada.

Enquanto isso, as relações entre a Coreia do Sul e Japão continuam estagnadas em função de disputas relacionadas principalmente ao período de dominação dos japoneses, que se estendeu de 1910 a 1945, incluindo sobre ilhotas localizadas em águas que dividem os dois países. As ilhas, controladas pelos coreanos, são reivindicadas pelos japoneses. Além disso, Seul exige um novo pedido de desculpas e indenizações do Japão por ter usado escravas recrutadas na Coreia durante o período de guerra.

"E nenhum desses casos foi resolvido. Os japoneses não mudaram sua posição em relação a isso", disse Park, em entrevista à BBC, publicada hoje na internet. "Se o Japão insistir em manter as mesmas percepções históricas e repetir comentários do passado, de que serviria realizar uma cúpula?", questionou.

Por outro lado, desde que assumiu em fevereiro, Park tem promovido a aproximação da Coreia com a China. "A China é um vizinho muito próximo", disse a presidente à BBC, acrescentando que os países estão atualmente implementando vários programas para fortalecer sua parceria.

Depois de visitar a França no sábado, Park se encontra hoje no Reino Unido. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Coreia do SulParkentrevistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.