Parlamentar acusa missão de paz de fazer turismo no Timor

O presidente do Parlamento timorense, Francisco Guterres, acusou nesta quarta-feira as forças internacionais de paz de se dedicarem ao turismo em vez de manter a ordem pública no país, depois de quatro pessoas, entre elas um policial, morrerem em diversos confrontos em Díli."Muita gente tem se queixado de que a segurança em Díli é mínima porque as tropas internacionais e UNPOL (Polícia das Nações Unidas) passam mais tempo nas praias do que cumprindo as suas funções", declarou Guterres.Ele acrescentou que se os soldados preferem fazer turismo em lugar de instaurar a ordem na capital timorense é melhor deixar a polícia local se encarregar da segurança.O bispo de Díli, Alberto Ricardo da Silva, afirmou à imprensa que durante os distúrbios de domingo no bairro de Bairopite a força internacional e a UNPOL não fizeram nada para controlar a situação."Isso mostra que a UNPOL não pode agir nem tem a força paramanter a ordem pública", concluiu o bispo.No domingo, grupos rivais de praticantes de artes marciais se enfrentaram em Bairopite, levando à morte de um policial e um jovem. Outras duas pessoas morreram na noite de terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.