Parlamentar indonésio escapa de pena por corrupção

A Suprema Corte da Indonésia derrubou uma condenação por suborno contra o presidente do Parlamento - decisão que lhe permite concorrer à presidência do país e levanta preocupação sobre a capacidade da Indonésia de combater a corrupção endêmica. A decisão em favor de Akbar Tandjung significa que o político de 59 anos provavelmente se tornará o candidato do movimento que lidera - o Partido Golkar, do ex-ditador Suharto - nas primeiras eleições presidenciais diretas da Indonésia em 5 de julho.O julgamento é também um sério revés para a controvertida candidatura do ex-comandante militar general Wiranto, que também busca a nomeação do Golkar, apesar de ter sido indiciado pelas Nações Unidas por supostos abusos dos direitos humanos no ex-território indonésio de Timor Leste."O acusado, Akbar Tandjung, não é culpado de cometer atos criminosos e desta forma de ser libertado e seu nome e sua reputação reabilitados", anunciou o juiz Paulus Lotulong.Em 2002, uma corte de Jacarta havia condenado Tandjung por se apropriar de o equivalente a US$ 4,5 milhões em fundos estatais destinados à assistência alimentar pública para os pobres, e o sentenciou a três anos de prisão. A sentença havia sido mantida por um tribunal de apelação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.