Parlamentares trocam murros em plena sessão na Ucrânia

Insultos começaram porque opositores estavam furiosos por governistas votarem na ausência de colegas

AE, Agência Estado

13 de dezembro de 2012 | 15h52

KIEV - O Parlamento da Ucrânia, recém-eleito, tomou posse nesta quinta-feira, 13,  e nomeou dois deputados governistas para os cargos de primeiro-ministro e líder parlamentar, mas a sessão foi tumultuada por uma briga violenta entre parlamentares do governo e da oposição, que trocam murros e pontapés.

O Partido das Regiões, do presidente Viktor Yanukovich, e seus aliados governistas asseguraram uma maioria após as eleições de outubro, consideradas irregulares pelo Ocidente. Mas três partidos da oposição se manifestaram de maneira violenta hoje no Parlamento.

Logo após o começo da sessão, parlamentares da oposição fizeram o juramento, assumiram as cadeiras e começou uma discussão com os governistas. Os opositores estavam furiosos com a prática dos governistas de votarem na ausência de colegas. Rapidamente os políticos passaram dos insultos à troca de murros e pontapés. Um parlamentar enfiou o dedo no olho de um colega.

"Estimados deputados, vamos nos acalmar", disse o deputado governista Volodymyr Rybak, ex-prefeito, de 66 anos, da cidade de Donetsk, que teve que interromper seu discurso. Após a briga ter terminado, Rybak foi eleito líder do Parlamento. Um pouco mais tarde, o Parlamento efetivou o primeiro-ministro interino Mykola Azarov, aliado de Yanukovich, no cargo de premiê.

A oposição recusou-se a assistir à efetivação de Azarov e saiu em bloco para o saguão do Parlamento, deixando o presidente Yanukovich discursar para um plenário vazio pela metade. A sessão desta quinta-feira fez pouco para reduzir as preocupações da União Europeia (UE) sobre a situação da democracia na Ucrânia, cuja principal líder da oposição, Yulia Tymoshenko, cumpre pena de prisão. O bloco afirma que a condenação de Tymoshenko foi politicamente motivada.

A UE suspendeu um acordo de cooperação com a Ucrânia. Nesta quinta-feira, após as cenas do pugilato entre os políticos exibidas pela televisão, o Parlamento Europeu adotou uma resolução na qual reiterou que "a Ucrânia precisa provar seu comprometimento a uma democracia genuína antes que um acordo com a Europa possa ser assinado".

As informações são da AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.