Parlamentares trocam socos e atiram latas de lixo na Câmara de Taiwan

Tumulto começou após recusa do Partido Progressista a proposta para debater cláusulas de acordo

Agência Estado e Agência Estado

08 de julho de 2010 | 13h57

 

TAIPÉ - Legisladores taiwaneses trocaram socos e jogaram latas de lixo uns contra os outros durante a sessão desta quinta-feira, 8, depois de o presidente da Câmara ter rejeitado uma proposta da oposição para a realização de um detalhado debate sobre um controverso acordo comercial com a China.

 

O tumulto começou depois que Wang Jin-pyng, do governista Partido Nacionalista, ter recusado a proposta do Partido Democrático Progressivo, que é favorável à independência da ilha, de debater separadamente cada cláusula do Acordo-Quadro de Cooperação Econômica em vez de considerar o projeto como um todo. A decisão de Wang aceleraria a aprovação do acordo, que já está garantido pela forte maioria dos nacionalistas na Casa.

 

O acordo, que foi assinado na semana passada na cidade chinesa de Chongqing, é a joia da coroa dos dois anos de esforços do presidente Ma Ying-jeou para fortalecer os laços entre a economia de alta tecnologia de Taiwan e os lucrativos mercados chineses. A expectativa é que o acordo passe a valer no início de 2011.

 

Além de cortar as tarifas de uma grande quantidade de itens comercializados pelo Estreito de Taiwan, o pacto formaliza mecanismos para mediação de disputas e promete acesso para os lados a novos setores, como o bancário e o de seguros. Ma diz que o acordo é necessário para que Taiwan evite o isolamento econômico em meio ao surgimento de blocos de comércio regionais, particularmente depois do acordo de livre-comércio entre a China e países do sudeste asiático ter entrado em funcionamento neste ano.

 

A oposição rejeitou o argumento afirmando que o pacto vai prejudicar a economia da ilha ao torná-la excessivamente dependente da China e, em última instância, abrir caminho para a unificação política, seu maior temor. China e Taiwan se dividiram em meio a uma guerra civil em 1949.

 

Legisladores dos dois lados se empurraram ao redor do local onde estava o presidente da Casa, trocando socos e jogando objetos uns contra os outros, dentre eles latas de lixo e xícaras de chá. Num determinado momento, o legislador Su Chen-ching ultrapassou um grande grupo de nacionalistas que cercavam a área do presidente, aparentemente numa tentativa de chegar até Wang, mas foi rapidamente controlado e jogado ao chão.

 

As cenas caóticas lembraram brigas anteriores no legislativo de Taiwan, que começou uma transição gradual da ditadura para a democracia em 1987 e continua dividida pelas lutas passionais entre seus dois principais blocos políticos.

Tudo o que sabemos sobre:
TaiwanCâmarasocosbrigaparlamentares

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.