Parlamento alemão aprova fechamento de usinas

O Legislativo alemão aprovou por grande maioria hoje o projeto para o fechamento das usinas nucleares do país até 2022, colocando a maior economia da Europa no ambicioso caminho da energia renovável. Na Câmara Baixa do Parlamento, 513 deputados votaram a favor e 79 contra o projeto do governo da chanceler Angela Merkel, apresentado após o desastre nuclear ocorrido no Japão. A maioria da oposição votou a favor e oito legisladores se abstiveram.

AE, Agência Estado

30 de junho de 2011 | 19h21

Os deputados decidiram o encerramento das operações dos oito reatores mais antigos do país, que já estavam fora da rede de abastecimento desde março. Os nove reatores remanescentes serão fechados gradativamente até o final de 2022. Até 2020, a Alemanha quer dobrar a participação da energia gerada pela água, vento, sol e biogás para pelo menos 35%. Até este ano, a energia nuclear representava um pouco menos de 25% da energia consumida na Alemanha.

"Algumas pessoas perguntam: a Alemanha vai administrar isso? Pode ser feito? Esta é a primeira vez que um país majoritariamente industrial se declara pronto para realizar uma revolução tecnológica e econômica", disse o ministro do Meio Ambiente Norbert Roettgen aos deputados. "A mensagem de hoje é: os alemães estão começando a trabalhar", afirmou. "Isto será bom para nosso país, porque estamos todos juntos. Então, vamos trabalhar".

O governo não estabeleceu um preço específico para o projeto de alteração para fontes renováveis. "Obviamente vai custar alguma coisa, mas não vai sobrecarregar ninguém", afirmou Roettgen. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.