Parlamento aprova moção de censura contra Ariel Sharon

A maioria dos parlamentares israelenses - inclusive três ministros - votou em favor de uma moção de censura contra o governo do primeiro-ministro Ariel Sharon. A votação expõe o nível de oposição dentro do governo a um plano para desmantelar alguns assentamentos judaicos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. A moção de censura foi aprovada por 53 votos a 45. Foi a terceira semana seguida em que a coalizão de governo de Sharon não consegue maioria simples para derrubar propostas do tipo.Apesar do constrangimento, a coalizão de centro-direita de Sharon sobreviveu porque não houve maioria absoluta de 61 votos, necessária para derrubar o governo. O Knesset (Parlamento) é composto por 120 deputados. Em discurso perante o Knesset, Sharon pediu a seus parceiros de coalizão e à oposição que apóiem suas políticas.No início do mês, Sharon revelou um plano unilateral de "separação" entre israelenses e palestinos, se não houver progressos na implementação do roteiro para a paz. De acordo com o plano unilateral de Sharon, alguns assentamentos judaicos isolados seriam desmantelados e uma barreira física seria imposta entre Israel e a Cisjordânia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.