Photo by HO / PRU / AFP
Photo by HO / PRU / AFP

Parlamento britânico antecipa eleições gerais para 12 de dezembro

Expectativa é a de que a eleição ajude a pôr um fim ao impasse envolvendo o Brexit, depois de o acordo negociado entre o Reino Unido e a União Europeia ter sido rejeitado diversas vezes

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2019 | 18h15
Atualizado 29 de outubro de 2019 | 18h15

LONDRES - O Parlamento do Reino Unido aprovou na tarde desta terça-feira, 29, a antecipação de eleições gerais no país. A moção foi aprovada quase por unanimidade, por 438 votos a 20. A eleição foi marcada para 12 de dezembro.

A expectativa é a de que a eleição ajude a pôr um fim ao impasse envolvendo o Brexit, depois de o acordo negociado entre o Reino Unido e a União Europeia ter sido rejeitado diversas vezes neste ano e o prazo para a saída do país do bloco ter sido ampliado duas vezes. 

Para Entender

A cronologia do Brexit

Decisão de sair da União Europeia deixou os britânicos com a tarefa de conduzir o processo sem fazer um rompimento brusco; relembre

A aprovação ocorreu graças à mudança de posição do líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, que era contrário à proposta. Segundo ele, o novo adiamento do Brexit para 31 de janeiro possibilitou o apoio da oposição às novas eleições.

Com as eleições, Johnson espera obter uma maioria absoluta que permita cumprir sua promessa de concretizar o Brexit, apoiado por 52% dos britânicos no referendo de 2016.

O texto ainda deve ser referendado pela Câmara​ dos Lordes nos próximos dias. Segundo as pesquisas de opinião mais recentes, os Conservadores têm dez pontos de vantagem sobre os Trabalhistas. 

"Nossa condição de descartar uma saída sem acordo está contemplada agora com o adiamento da data do Brexit aprovada pela União Europeia", declarou o líder trabalhista, Jeremy Corbyn. Ele prometeu organizar "a campanha eleitoral mais ambiciosa e radical para uma mudança verdadeira no país".

Idas e vindas sobre o Brexit

Na segunda-feira, no entanto, a Câmara dos Comuns rejeitou o texto do governo para convocar eleições em 12 de dezembro, uma medida que exigia maioria de dois terços.

Decidido a acabar com a "paralisia", o chefe de Governo organizou uma nova votação nesta terça-feira no Parlamento. Aproveitando as sutilezas do sistema eleitoral britânico, Johnson vai recorrer a um procedimento que exige apenas a maioria simples, mas que abre a porta para uma batalha de emendas sobre as modalidades das eleições. 

Além do procedimento, o que mudou em 24 horas foi o fato de a oposição ter recebido garantias de que o Brexit não acontecerá antes das eleições. A moção que os deputados rejeitaram na segunda-feira deu tempo ao Parlamento para votar, nos próximos dias, o acordo de saída da UE negociado por Boris Johnson com Bruxelas./ AP e REUTERS

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.