AFP PHOTO / PRU
AFP PHOTO / PRU

Parlamento britânico aprova começo do Brexit para março

Câmara passa lei para dar início às conversações sobre a saída da União Europeia; May apresenta ‘livro branco’ amanhã

O Estado de S. Paulo

01 Fevereiro 2017 | 18h50

LONDRES - Deputados britânicos aprovaram nesta quarta-feira, 1º, por 498 votos a 114 a lei que autoriza o início das conversações para a saída do Reino Unido da União Europeia. Durante dois dias de debates, muitos deputados, tanto do governo quanto da oposição, disseram que respeitariam a decisão dos eleitores que, em 23 de junho, aprovaram em referendo a saída do bloco europeu.

Mas membros do Parlamento de partidos de oposição tentarão inserir emendas no próximo estágio do processo, tentando evitar um duro choque econômico com a saída da UE. O governo conservador quer que a lei seja aprovada até o início de março e pretende impor um prazo de até 31 de março’.

Cerca de 30 deputados trabalhistas se rebelaram contra a disciplina de voto imposta por seu líder, Jeremy Corbyn, e se alinharam contra a lei, juntamente com o Partido Nacionalista Escocês e a maioria dos liberal-democratas. 

A lei deve voltar à Câmara dos Comuns para uma votação final na próxima semana antes de ir para a Câmara Alta do Parlamento (a Câmara dos Lordes).

O governo foi forçado a apresentar a lei sobre o Brexit ao Parlamento depois de uma decisão da Suprema Corte, que acabou com os esforços da primeira-ministra Theresa May de iniciar o processo de saída do bloco de 28 nações sem a votação nas duas Casas.

May informou que apresentará nesta quinta-feira ao Parlamento o esperado “livro branco” sobre o Brexit, no qual especificará os objetivos do governo na negociação com a União Europeia.

Na sessão semanal de perguntas à primeira-ministra na Câmara dos Comuns, May confirmou que divulgará o “livro branco” depois de os deputados exigirem um documento formal com as metas da negociação do governo com o bloco europeu.

Ela já tinha antecipado os objetivos do Reino Unido em um discurso no mês passado. Mas vários deputados do Partido Conservador, liderado por May, que rejeitaram o Brexit no referendo pediram a elaboração desse “livro branco”. / EFE e AP

Mais conteúdo sobre:
Brexit Theresa May

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.