Parlamento cubano recebe documento exigindo democracia

Ativistas entregaram ao Parlamento cubano mais de 14.000 assinaturas exigindo um referendo sobre mudanças radicais na política, em mais um desafio ao governo de Fidel Castro. Este é o segundo ano consecutivo em que Oswaldo Paya leva pilhas de assinaturas ao governo, como parte do Projeto Varella, tido como o maior movimento de oposição autóctone de Cuba.Ano passado foram entregues 11.400 assinaturas. As desta sexta-feira são, segundo Paya, totalmente novas, sem repetições das já usadas em 2002. O ativista ficou 40 minutos no prédio da Assembléia Nacional, antes de sair e dizer que o abaixo-assinado havia sido recebido pelas autoridades.Ativistas do Projeto vêm sendo molestados, disse Paya. Muitos dos militantes que distribuíam folhas de assinatura foram detidos para interrogatório, embora ninguém tenha sido acusado formalmente. As petições deste ano e do ano passado pedem um referendo sobre liberdades como a de expressão, de reunião e a anistia dos presos políticos.O Projeto Varella deve o nome ao padre católico Felix Varella, um dos heróis da independência de Cuba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.