Parlamento da Islândia proíbe shows de strip-tease

O Parlamento da Islândia proibiu a realização de shows de strip-tease, tornando um crime qualquer negócio que lucre com a nudez de seus funcionários. O Legislativo aprovou a proibição na noite de ontem, com apenas duas abstenções e nenhum voto contrário à proposta.

AE-AP, Agencia Estado

24 de março de 2010 | 16h53

A dança erótica já era bastante regulada na Islândia, uma nação insular do norte do Atlântico, de 320 mil habitantes, com poucos clubes que oferecem strip-teases. A ex-parlamentar Kolbrun Halldorsdottir, a primeira a propor a lei, disse à emissora RUV, nesta quarta-feira, que "não é aceitável que as mulheres, ou pessoas em geral, sejam um produto para ser vendido".

A Islândia tem valores sociais liberais e também um forte movimento em prol das mulheres. Quase a metade dos legisladores do país é do sexo feminino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.