Gleb Garanich/Reuters
Gleb Garanich/Reuters

Parlamento da Ucrânia elabora emenda constitucional e tenta resolver crise

Oposição quer retorno a uma Constituição de 2004, passando poderes do presidente aos parlamentares

O Estado de S. Paulo,

06 de fevereiro de 2014 | 11h54

KIEV - Os partidos que integram o parlamento ucraniano, que se encontra em um impasse, concordaram nesta quinta-feira, 6, em redigir uma emenda constitucional que pode ser votada ainda esta semana, disse o presidente do Congresso.

Líderes de oposição, apoiados pelos manifestantes nas ruas, querem o retorno a uma Constituição aprovada em 2004, o que passaria poderes substanciais do presidente para o parlamento - proposta rejeitada pelo presidente Viktor Yanukovich e seus aliados, que compõe a maioria do legislativo.

O presidente do Parlamento, Voloymyr Rybak, do Partido das Regiões, mesmo do presidente, disse que líderes dos grupos parlamentares iriam se reunir com ele e representantes da Presidência com o objetivo de elaborar um projeto em poucos dias. "Na próxima semana, nós vamos tomar uma decisão - talvez na terça ou quarta - para examinar esse projeto de lei."

A lealdade dos paridos no Parlamento unicameral de 450 assentos tem sido fluída. Continua pouco claro se um consenso pode ser alcançado para se mudar a Constituição ou se a oposição pode arregimentar uma maioria para pressionar a aprovação das emendas que defende.

Espera-se que Yanukovich nomeie um novo primeiro-ministro em breve, para substituir o premiê que renunciou na semana passada em um esforço até agora mal-sucedido de agradar os opositores que ocupam o centro de Kiev e edifícios públicos em outras cidades.

Em última instância, os líderes da oposição e manifestantes querem expulsar Yanukovich, cujo governo é visto como dominado por interesses e negócios corruptos e sujeito a pressões da vizinha Rússia./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
Ucrâniacrise políticaparlamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.