Parlamento de Malta ratifica lei do divórcio

Os malteses não precisarão mais viajar a outros países da Europa para se divorciarem, após o Parlamento de Malta ratificar nesta segunda-feira o divórcio no país. Em referendo realizado em 28 de maio, 53% dos eleitores aprovaram a lei do divórcio, que será permitido a partir de outubro. Malta, ilha no Mediterrâneo onde o catolicismo é forte, era o último país europeu sem lei do divórcio.

AE, Agência Estado

25 de julho de 2011 | 18h00

Até agora, cidadãos malteses podiam obter o divórcio apenas no exterior. Nos últimos 30 anos, 785 casais malteses se divorciaram desta maneira, com os números crescendo gradualmente de 7 em 1981 para 47 em 2010. O primeiro-ministro Lawrence Gonzi votou contra a lei. Segundo ele, o divórcio irá enfraquecer a estrutura da família.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
MaltaDivórcioLegislação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.