AP
AP

Parlamento do Egito se reúne apesar de decisão judicial

Em sessão de apenas cinco minutos, parlamentares decidem buscar opinião legal sobre eleição

AE,

10 de julho de 2012 | 08h41

CAIRO - O Parlamento do Egito reuniu-se nesta terça-feira, 10, desafiando o Exército e a Suprema Corte do país. A sessão foi curta - apenas cinco minutos - e em votação rápida a Casa concordou em buscar uma opinião legal sobre a decisão que invalidou as últimas eleições.

 

Veja também:

linkCorte rejeita pedido de Morsi para volta do Parlamento no Egito

som LOURIVAL SANT'ANNA: Parlamento deve ser reaberto na terça

 

A volta dos parlamentares deve aumentar a tensão entre os militares e o novo presidente Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana. Os generais prometeram que iriam defender a decisão judicial que dissolveu o Parlamento, devido a supostas ilegalidades no pleito que elegeu seus membros.

 

A atmosfera de crise vêm crescendo desde que Morsi emitiu uma ordem no domingo convocando os 508 parlamentares. O presidente do Parlamento, Saad el-Katani, afirmou que a sessão teve o objetivo de encontrar maneiras de implementar a decisão da Justiça, e não debatê-la, em respeito aos princípios de "supremacia da lei e separação dos poderes". Mas ele apresentou um plano de procurar uma "segunda opinião" em um tribunal de apelações.

 

A Suprema Corte afirmou que um terço dos parlamentares foi eleito de forma irregular. O pleito deu uma ampla maioria aos islamitas. Morsi e Katani são membros antigos da Irmandade Muçulmana, o grupo fundamentalista que há muito tempo tem estado em desacordo com os governo militares.

 

Na segunda-feira, o Exército fez o seu único comentário público sobre a disputa, ameaçando o presidente de forma velada ao dizer que as forças armadas estão ao lado da "Constituição, legitimidade e da lei".

 

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.