Parlamento do Japão aprova Aso como primeiro-ministro

Premiê promete estender missão antiterror de apoio aos EUA e blindar a economia japonesa da crise dos EUA

Agências internacionais,

24 de setembro de 2008 | 02h24

A Câmara Baixa do Parlamento do Japão aprovou a indicação do presidente do Partido Liberal Democrático (PLD), Taro Aso, para o cargo de primeiro-ministro nesta quarta-feira, 24. Após ser ratificado no cargo, Aso afirmou que impulsionará a extensão da missão antiterror japonesa no Oceano Índico e fez um apelo por medidas de emergência para reativar a economia japonesa, para que ela não seja atingida pela crise americana.   Veja também: Novo líder japonês tem fortes vínculos com o Brasil    Os primeiros dois meses de Aso como líder do governo japonês provavelmente serão dedicados a preparar o partido governista para as eleições à Câmara Baixa, muito provavelmente no início de novembro. Caso o partido tenha uma mau desempenho nas urnas, o mandato do novo primeiro-ministro será curto. O ex-premiê Yasuo Fukuda deixou o cargo por conta do impasse político na administração, já que não contava com o apoio do Parlamento.   Em sua primeira entrevista coletiva, Aso afirmou que a missão japonesa contra o terrorismo - o Japão apóia desde 2001 as operações militares americanas no Afeganistão, mas a oposição tenta encerrar a missão - não é necessária apenas para o Japão, mas para proteger o mundo do terrorismo. Tóquio mantém navios de abastecimento no Índico para as tropas da coalizão liderada pelos EUA em solo afegão.   Aso ainda disse que fará o possível para blindar a economia japonesa contra a crise financeira que atingiu os EUA e derrubou os mercados do mundo todo. Sem dar detalhes, o novo premiê afirmou apenas que apoiará os trabalhadores e as pequenas e médias empresas do país. Aso tem como desafio vencer a recessão que atinge a segunda maior economia do mundo. A redução das exportações para os EUA e a Europa provocou forte queda e produção das fábricas japonesas. Além disso, o governo ainda precisa arcar com o aumento dos custos sociais de sua população cada vez mais velha. Dos 480 votos da Câmara Baixa, Aso obteve 337 e o presidente do Partido Democrático do Japão (PDJ), Ichiro Ozawa, ficou com 117. Antes da votação, houve a renúncia formal do primeiro-ministro Fukuda, que no começo do mês havia anunciado inesperadamente sua intenção de deixar o cargo. Aso pretende anunciar ainda nesta quarta a composição de seu Ministério e a nomeação formal dos novos ministros deve acontecer nesta noite, hora local.   Aso, de 68 anos, será o terceiro primeiro-ministro em um ano no Japão. O atual governo japonês tem um índice de aprovação de 40% e o Japão enfrenta sua pior crise em 50 anos. O novo premiê enfrentará o desafio de levar adiante iniciativas políticas cruciais para restabelecer a confiança do povo japonês no governo.   Fã de manga e campeão de tiro   Além de ser nacionalista convicto, polêmico e ter língua afiada, o novo primeiro-ministro japonês, Taro Aso, é campeão de tiro, fã de quadrinhos japoneses e não perde uma boa piada, mesmo que lhe traga problemas políticos. Aso será o "primeiro-ministro mais divertido da história", disse o ex-ministro da Justiça do Japão Kunio Hatoyama. Ele mudará o "Japão lento e apagado". Aso foi membro da equipe japonesa de tiro esportivo na Olimpíada do Canadá, em 1976, já foi flagrado por uma câmera lendo "mangás" no aeroporto de Tóquio e é tratado como ídolo pelos fãs dos quadrinhos japoneses. Em 2007, teve de se desculpar por piadas sobre o mal de Alzheimer feitas num país envelhecido e tradicionalmente reverente às antigas gerações.

Tudo o que sabemos sobre:
Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.