Parlamento Europeu adverte deputado por folheto anti-semita

O presidente do Parlamento Europeu, Hans-Gert Pöttering, repreendeu nesta quarta-feira, 14, no plenário da Câmara o deputado ultradireitista polonês Maciej Giertych, por ter publicado um opúsculo de conteúdo anti-semita com o logotipo da instituição."Quero garantir a liberdade de expressão, mas também velar pela dignidade desta Câmara na conduta dos deputados", explicou Pöttering."O Parlamento Europeu, que condena toda forma de xenofobia, de nenhuma maneira pode ser associado aos pontos de vista que figuram em seu panfleto", acrescentou o democrata-cristão alemão.Giertych não estava presente no plenário no momento da crítica. Ele provocou protestos de organizações judaicas e contra o racismo e a xenofobia, ao publicar um folheto intitulado "Civilizações em guerra na Europa".A obra, que exibe em sua capa o logotipo do Parlamento Europeu, apesar de não ter sido autorizada nem financiada pela instituição, sustenta entre outras coisas que "os judeus voluntariamente preferem viver à margem de outras comunidades" e que são "uma comunidade trágica, que não reconheceu Jesus Cristo como o Messias".A advertência formal será comunicada por escrito ao parlamentar polonês e aos órgãos da câmara que ele integra. A sanção é a mais leve das previstas no artigo 147 do regimento do órgão.O artigo permite ao presidente até mesmo destituir os eurodeputados "que promovam desordens excepcionalmente graves na sessão ou perturbem os trabalhos do Parlamento", venerando o respeito aos princípios e valores fundamentais da UE.Maciej Giertych, dirigente do partido ultradireitista e governamental polonês Liga das Famílias, já causou outras polêmicas. Em 6 de julho de 2006, num debate sobre o franquismo na Espanha, elogiou o regime de Franco como uma defesa da "Espanha católica" contra o "ataque comunista".Em novembro de 2005, havia organizado uma exposição na sede parlamentar de Estrasburgo, comparando o aborto ao Holocausto nazista. A mostra foi proibida pelo então presidente do Parlamento, Josep Borrell.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.