Parlamento Europeu pede investigação de abuso dos EUA no caso WikiLeaks

Justiça americana ordenou empresas de internet de fornecer dados de usuários ligados ao site

Efe

23 de março de 2011 | 18h55

BRUXELAS - O Parlamento Europeu pediu à Comissão Europeia e aos 27 países-membros do bloco nesta quarta-feira, 23, que averiguem os supostos abusos da Justiça dos EUA ao obrigar as redes sociais Twitter e Facebook a transmitir dados pessoais de usuários europeus durante a investigação do caso Wikileaks.

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks 

 

Em um debate no Parlamento, os deputados europeus solicitaram à comissária de Justiça, Viviane Reding, que peça que as autoridades americanas esclareçam as citações do Twitter e de outras empresas de internet (Google e Facebook) por parte de Justiça dos EUA, que ordenou a entrega de dados pessoais, mensagens e comunicações de várias pessoas que poderiam estar relacionadas com o Wikileaks.

 

Os deputados colocaram em dúvida que essas ordens judiciais estejam relacionadas com as normas comunitárias de proteção de dados. A parlamentar holandesa Sophie In't Veld reivindicou que a Comissão Europeia não se desanime pelo fato de que as sedes de companhias como Twitter e Facebook se encontrarem nos EUA e, portanto, deve reger a legislação americana.

 

O espanhol Juan Fernando López Aguilar, por sua vez, fez declarações na mesma linha e afirmou que "já é hora de redefinir os padrões europeus de proteção de dados e se sincronizar com a revolução digital".

 

Viviane se defendeu apontando que, da Comissão Europeia, não pode pedir diretamente explicações às autoridades americanas. Além disso, alertou à população do continente que se atente à política de privacidade das empresas americanas que administram as redes sociais no momento de abrir uma conta.

 

A titular de Justiça da Comissão Europeia afirmou, no entanto, que incluirá novas medidas de proteção de dados na internet na nova legislação comunitária que apresentará ainda em 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
WikiLeaksEUAComissão EuropeiaEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.