Parlamento Europeu pede reconhecimento de casais gays

O Parlamento Europeu aprovou uma resolução que solicita aos governos da União Européia (UE) o reconhecimento das relações extramatrimoniais, incluindo aquelas entre pessoas do mesmo sexo, e pede que lhes sejam concedidos "os mesmos direitos reconhecidos para o matrimônio". Após uma votação difícil, a direita européia se manifestou contra a resolução, enquanto a esquerda se manifestava a favor.O Parlamento de Estrasburgo se deteve, no entanto, a pequena distância do passo seguinte, que provavelmente poderia ter provocado maior polêmica. Assim, por 279 votos contra, 259 a favor e 9 abstenções, foi rejeitado outro parágrafo do capítulo sobre as discriminações sexuais contido na resolução sobre direitos humanos na UE, que pedia a todos os países da comunidade que permitissem "o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo". Em compensação, passou o artigo seguinte da resolução, com o qual o Europarlamento solicitou à UE que "inscreva em sua agenda política o recíproco reconhecimento das relações não-matrimoniais, não apenas entre pessoas do mesmo sexo, e elabore propostas concretas nesse sentido". Até agora, os casamentos entre homossexuais são oficiais apenas na Holanda, mas fórmulas de reconhecimento dos direitos dos casais homossexuais já foram adotadas na maior parte dos países da UE. A tomada de posição do Parlamento Europeu não é vinculante, mais constitui uma bandeira política que será erguida pelas organizações gays para levar adiante sua batalha em favor de direitos iguais aos dos heterossexuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.