EFE/ Cristian Hernandez
EFE/ Cristian Hernandez

Parlamento Europeu reconhece Guaidó como presidente interino da Venezuela

Instituição foi a primeira da Europa a apontar legitimidade do líder opositor, reiterando que novas eleições deverão ser convocadas no país

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2019 | 11h21

BRUXELAS - O Parlamento Europeu reconheceu nesta quinta-feira, 31, o líder opositor Juan Guaidó como “presidente legítimo interino” da Venezuela. A decisão foi tomada após o fim do prazo dado pela União Europeia para exigir que Nicolás Maduro, presidente eleito, convocasse novas eleições.

Os parlamentares da Eurocâmara, uma das três instituições da União Europeia, aprovaram a resolução por 439 votos a favor, 104 contra e 88 abstenções. Eles pediram que a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e os Estados-membros “adotem posição firme e comum”, reiterando que Guaidó terá reconhecimento europeu até a Venezuela realizar novas eleições transparentes.

Para Entender

Venezuelanos vão às ruas contra o governo de Nicolás Maduro; entenda os motivos da manifestação antichavista

Protestos foram convocados pela oposição e receberam apoio dos Estados Unidos.

Em 23 de janeiro, o líder opositor e presidente da Assembleia Nacional se proclamou presidente interino e prometeu instalar um governo de transição ao não reconhecer a posse do segundo mandato de Maduro, qualificando as eleições presidenciais de 2018 como fraudulentas.

A medida do Parlamento Europeu fará pressão para que os Estados do continente reconheçam Guaidó como o chefe de Estado venezuelano, movimento já feito pelos Estados Unidos, Brasil e outros países da América. Até então, a Europa pedia a convocação de novas eleições.

Rússia, China, Turquia, Irã e Síria anunciaram que as eleições de Nicolás Maduro foram legítimas e que não reconhecem a legitimidade de Guaidó. No domingo, vence o prazo dado por Espanha, Alemanha, França e Reino Unido para que Maduro convoque eleições. Estes países devem então reconhecer Guaidó, o que provavelmente aumentará o isolamento financeiro do chavismo. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.