Parlamento francês deve debater intervenção na Síria

O Parlamento da França deve debater nesta quarta-feira se o país deve participar de ataques militares contra a Síria, contudo nenhuma votação está agendada para a sessão.

AE, Agência Estado

04 Setembro 2013 | 04h36

A Constituição da França não requer um votação parlamentar para uma intervenção militar, a menos que a operação dure mais de quatro meses. Por outro lado, alguns legisladores franceses já pediram que o presidente François Hollande convoque uma votação sobre o tema.

Na terça-feira, o presidente francês declarou que irá aguardar a decisão do Congresso dos Estados Unidos sobre uma ação militar contra a Síria, reiterando que seu governo não se engajará sozinho em um ataque contra o governo de Bashar Assad.

Numa entrevista coletiva concedida ao lado do presidente da Alemanha, Joachin Gauck, Hollande disse que a votação no Congresso norte-americano "terá consequência sobre a coalizão que teremos de formar".

Caso o Congresso dos EUA não autorize um ataque a Síria, prosseguiu Hollande, "a França assumirá sua responsabilidade apoiando a oposição democrática (síria) de forma a dar uma resposta" ao uso de armas químicas atribuído ao governo de Bashar Assad.

Hollande e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendem abertamente uma ação militar contra a Síria em resposta a um ataque que deixou centenas de mortos nos arredores de Damasco em 21 de agosto.

Os dois presidentes acusam o governo sírio de ser o responsável pelo ataque, no qual teria sido usado algum tipo de arma química ainda não identificado. O governo sírio nega. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
françaparlamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.