Parlamento francês votará moção de censura contra governo

A Assembléia Nacional (câmara dos deputados) francesa votará nesta terça-feira uma moção de censura apresentada pelos socialistas contra o governo do premier conservador, Dominique de Villepin. O chefe do governo da França é acusado de estar envolvido na divulgação de listas falsas em que políticos e empresários aparecem como titulares de contas no exterior. O caso, que ficou conhecido pelo nome do banco de Luxemburgo especializado em lavagem de dinheiro Clearstream, está sendo investigado pela judiciário francês.Segundo a imprensa, o presidente Jacques Chirac e o primeiro-ministro conheciam o caso desde sua origem, e pediram uma investigação discreta sobre às listas ao general Philippe Rondot, que em 2004 era o responsável pelos serviços de inteligência do ministério da Defesa.Notas manuscritas por Rondot sobre vários encontros com funcionários do Estado, incluindo Villepin, têm servido de munição à imprensa e à oposição.O escândalo ganhou força pois em uma das listas figurava o nome do ministro do Interior e presidente do partido governista União por um Movimento Popular (UMP), Nicolas Sarkozy. O dirigente é o principal concorrente de Villepin na corrida pela indicação do partido às eleições presidências de 2007.Os socialistas, de oposição, aproveitaram o escândalo que divide os conservadores franceses para lançar uma moção de censura que não tem possibilidade de prosperar, dado que o UMP dispõe de uma grande maioria na Assembléia.De qualquer forma, o debate ampliará a reverberação de um caso que sangrou a direita francesa nas últimas semanas.Em uma entrevista publicada nesta segunda-feira pelo diário francês Le Monde, o líder socialista François Holland afirmou que a moção de censura se justifica uma vez que o "governo perdeu todo o crédito e respeito, e cabe a cada deputado, independentemente de sua filiação partidária, votar com consciência"."Votar a censura é acabar com a crise", disse Hollande, que ressaltou que sua iniciativa será apoiada pelo líder do centrista UDF, François Bayrou, cujo partido era aliado do executivo.Mecanismo freqüenteA moção de censura é um mecanismo parlamentar bastante freqüente na política francesa. Este será o quadragésimo pedido avaliado pelo parlamento francês nos últimos 20 anos. O gabinete de Villepin já superou dois, um em julho de 2005 e outro em fevereiro passado, ambos em razão da política de emprego do governo.A aprovação de uma moção de censura por maioria absoluta pode implicar na demissão do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.