Parlamento iraquiano pede nomeação rápida de ministros

Em declaração para congressistas no final da noite desta segunda-feira, o premiê pediu uma semana adicional para apontar seus escolhidos

Estadão Conteúdo

09 de setembro de 2014 | 16h25

Parlamentares iraquianos pediram que o novo primeiro ministro do país, Haider al-Abadi, nomeie rapidamente seus indicados para os cargos de ministro da Defesa e do Interior, que vão liderar o esforço nacional de combate a militantes sunitas.

Em declaração para congressistas no final da noite desta segunda-feira, o premiê pediu uma semana adicional para apontar seus escolhidos, alegando que vários nomes haviam sido sugeridos, mas que os blocos políticos ainda precisavam chegar a um consenso. O Parlamento aprovou todos os candidatos indicados para o novo governo, com a exceção dos cargos dos ministros de Defesa, Interior, Turismo e Recursos Aquáticos.

Como muitas posições dentro do governo iraquiano, o posto de ministro da Defesa, nos últimos anos, tem sido oferecido a sunitas, enquanto o Ministério do Interior ficava a cargo de um xiita. Parlamentares dizem, no entanto, que o país está vivendo uma conjuntura muito crítica para se ater a essas práticas.

O avanço acelerado do grupo militante Estado Islâmico pelo Norte e o Oeste do Iraque levou centenas de milhares de pessoas a deixarem suas casas desde Junho. Os Estados Unidos lançaram operações de ajuda humanitária e ataques aéreos contra os extremistas, na esperança de dar apoio às forças iraquianas e curdas que tentam retomar o controle do território perdido para os insurgentes.

"Eu temo que os ministérios vagos, principalmente os de Defesa e Interior, continuarão funcionando sem ministros, ou que os cargos serão entregues para pessoas afiliadas a partidos políticos em vez de pessoas independentes e profissionais", disse o parlamentar sunita Hamid al-Mutlaq. O congressista pediu que al-Abadi "prove sua credibilidade e suas boas intenções".

Salim al-Muslimawi, um parlamentar xiita da província de Babil, disse que qualquer atraso na nomeação dos ministros pode fazer o governo parecer fraco e dividido. Ele pediu a seleção rápida de outros postos ministeriais, que seriam "um passo positivo para enfrentar os muitos problemas do país".

Outro congressista xiita, Walid al-Hili, afirmou que al-Abadi tinha nomes de candidatos independentes xiitas e sunitas para ambos os ministérios na segunda-feira, mas que "não quis apresentá-los sem um consenso nacional. Ele vai indicá-los nos próximos dias, não mais de uma semana", ele garantiu.

Os EUA e outros países têm pressionado o Iraque pela formação de um governo mais representativos que amenizaria o ódio entre os sunitas. O grupo se sentia marginalizado na administração do ex-primeiro-ministro Nouri al-Maliki, o que ajudou a intensificar os conflitos com o Estado Islâmico. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IraqueParlamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.