Parlamento israelense atrasa plano de retirada de Gaza

O plano do primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, de retirada da Faixa de Gaza sofreu um contratempo: uma comissão parlamentar não aprovou as diretrizes para a remoção. A votação na Comissão de Constituição e Justiça do parlamento israelense, que ficou empatada em 8 a 8, não deverá interromper a retirada, que está prevista para começar em junho. Mas autoridades advertem que o atraso poderia causar incertezas entre os colonos judeus e impedir que eles iniciem seus preparativos para abandonar a região por livre e espontânea vontade.A legislação inclui diretrizes sobre o pagamento de compensações aos colonos afetados e estipula penas de prisão para aqueles que se negarem a partir.A votação de hoje poderá atrasar o projeto de lei por vários meses, afirmou a porta-voz da comissão, a parlamentar Rona Perlis. O governo planeja pagar entre US$ 200.000 e US$ 300.000 para cada família que se retirar por vontade própria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.