Parlamento proíbe candidatos no exílio

O Parlamento sírio aprovou ontem uma lei que exclui a participação da oposição no exílio nas próximas eleições presidenciais, abrindo caminho para mais uma reeleição do atual presidente, Bashar Assad. Segundo o diplomata argelino Lakhdar Brahimi, enviado da ONU à Síria, a votação deve destruir qualquer possibilidade de negociações de paz. As declarações de Brahimi provocaram críticas imediatas do regime em Damasco, que o acusou de ter "ultrapassado" a competência do seu cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.