Parlamento queniano vota para definir governo de coalizão

Votação define a criação de cargos compartilhados entre governo e oposição para comandar o país

Efe,

11 de março de 2008 | 14h38

O Parlamento do Quênia começou nesta terça-feira, 11, os debates para aprovar a criação do cargo de primeiro-ministro e de dois vice-primeiros-ministros, de acordo com o estipulado entre o governo e a oposição no final de fevereiro.   Veja também: Entenda o conflito no Quênia  Em 24 horas, 30 mil fogem de operação militar no Quênia Governo pede que Parlamento aprove acordo de paz Às 14h30 (8h30 de Brasília), o presidente do Parlamento queniano, Kenneth Marende, abriu a sessão na qual será submetido à votação o projeto de criação de um governo de coalizão entre o Partido de União Nacional (PNU), no poder desde 2002, e o majoritário partido opositor Movimento Democrático Laranja (ODM).   O líder do ODM, Raila Odinga, aparece como único candidato ao posto de primeiro-ministro.   A criação deste governo de coalizão foi estipulada no dia 28 de fevereiro pelo presidente queniano, Mwai Kibaki, e Odinga, nas conversas entre representantes dos dois líderes, para colocar fim à crise após as eleições de dezembro do ano passado.   Quando foram anunciados os acordos de fevereiro, o mediador nas conversas, o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, disse que o primeiro-ministro terá a autoridade de coordenar e supervisionar as funções executivas do Governo.   O primeiro-ministro e os dois vice-primeiros-ministros serão substituídos apenas se o Parlamento aprovar uma moção de censura, de acordo com o anunciado em fevereiro por Annan.   Os tumultos desencadeados pela contestada eleição do presidente Mwai Kibaki, em 27 de dezembro, deixaram mais de 1.000 pessoas mortas no país.

Tudo o que sabemos sobre:
Quêniaacordoconflitosgoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.