AP
AP

Parlamento turco aprova ações militares em território sírio

Turquia voltou a atacar alvos na Síria, pelo segundo dia consecutivo, em retaliação a disparos na quarta

Agência Estado

04 de outubro de 2012 | 08h36

Texto atualizado às 10h37

 

ANCARA - O Parlamento turco aprovou nesta quinta-feira, 4, uma lei autorizando o Exército a realizar operações em território sírio, um dia depois de um bombardeio originado na Síria ter matado cinco pessoas em uma cidade turca na fronteira. A decisão foi tomada em uma reunião de emergência do Parlamento.

 

Veja também:

linkOtan exige que Síria interrompa agressões ao território turco

linkTurquia dispara contra a Síria após ataque

blog CHACRA: Curdos são o problema turco na Síria

 

Apesar da decisão do Parlamento, o vice-primeiro-ministro Besir Atalay afirmou que isso não equivale a uma declaração de guerra, e, sim, que é apenas uma forma de dissuasão. A lei dá ao governo o direito de enviar tropas ou caças para atacar alvos na Síria quando achar necessário.

 

Também nesta quinta, a Turquia voltou a disparar contra alvos na Síria pelo segundo dia seguido, ainda em retaliação ao bombardeio vindo da Síria.

 

Manifestação

 

Enquanto os parlamentares faziam o debate, uma manifestação foi realizada em Ancara pedindo que o país não se envolva em uma guerra com o país vizinho. Policiais responderam com gás lacrimogêneo.

 

A violência na fronteira adicionou uma perigosa nova dimensão para o conflito que está arrastando outros países para a guerra civil na Síria. Com a aprovação da medida, está aberto o caminho para ação unilateral das Forças Armadas, sem o envolvimento dos aliados Ocidentais e árabes.

 

No entanto, líderes turcos estão cientes dos riscos de uma intervenção aberta, especialmente sem o apoio de uma coalizão internacional. Observadores não acreditam que os Estados Unidos possam agir antes das eleições do mês que vem.

 

As informações são da Associates Press

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeTurquiaSíriatensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.