Parlamento ucraniano expulsa deputados após crise

A Rada Suprema (Parlamento) da Ucrânia recuou nesta sexta-feira, 6, em seu conflito com o presidente Viktor Yushchenko ao proibir a migração de partidos que motivou a atual crise e reduzir a coalizão de governo até sua composição inicial.Em um gesto unilateral de boa vontade, a Rada alterou seu regulamento interno e excluiu uma cláusula que até agora permitia aos deputados deixar sua facção parlamentar inicial e ingressar de forma individual em outros grupos.O presidente ucraniano dissolveu por decreto a Rada na segunda-feira e convocou eleições antecipadas para 27 de maio ao acusar a maioria parlamentar que forma o governo de aplicar uma política ilegal de migração de partidos para acumular maioriaconstitucional e tirar poder do chefe de Estado."Não se trata de um simples jogo de números, mas do menosprezo da Constituição e da revisão dos resultados políticos das eleições", disse Yushchenko, ao lembrar que a formação da maioria parlamentar é realizada "exclusivamente de acordo com o princípio de facções e com base nos resultados eleitorais".A Rada e o Governo do primeiro-ministro Viktor Yanukovich declararam inconstitucional o decreto presidencial e se negaram a cumpri-lo até que sua legalidade seja confirmada pelo Tribunal Constitucional, a cujo veredicto os dois lados se comprometeram a obedecer.O tribunal informou na quinta-feira que admitiu a interpelação dos deputados e que a analisará a partir da semana que vem.A paciência de Yushchenko acabou em 23 de março, com a transferência de onze deputados de seu grupo parlamentar de oposição ao grupo da coalizão majoritária de Yanukovich, que controla a Rada, integrada por 450 legisladores.No total, nas últimas semanas 21 deputados ingressaram na coalizão, atraídos - segundo a oposição - por promessas de cargos e subornos diretos, aumentando o bloco a 259 cadeiras, com a esperança de atingir a maioria constitucional de 300.Hoje, 258 desses 259 legisladores votaram a favor de alterar o regulamento interno para restabelecer o status quo de antes da crise. Com isso, a coalizão fica reduzida até o número inicial, de 238 deputados.Raísa Rogatiriova, coordenadora da maioria parlamentar, confirmou que a coalizão voltou a ser integrada por 186 deputados do Partido das Regiões de Yanukovich, 31 socialistas e 21 comunistas, segundo a agência Unian.net.Imediatamente após a Rada aprovar esta decisão, que também significa um convite a Yushchenko para que revogue seu decreto, a Presidência anunciou que o chefe de Estado estava reunido com Yanukovich para "buscar uma saída para a crise política".Os deputados decidiram realizar a próxima sessão plenária em 17 de abril.O primeiro vice-presidente da Rada, Adam Martyniuk,advertiu os parlamentares de que devem estar preparados para, caso haja necessidade, ir com urgência a uma eventual sessão extraordinária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.