Parque de Berlim define área para traficantes de drogas

Parque de Berlim define área para traficantes de drogas

Cansado de esperar pelas autoridades, diretor do Parque Görlitzer pinta linha rosa no chão para separar visitantes de criminosos

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2019 | 15h46

BERLIM - O Parque Görlitzer é um ponto de encontro popular no sul de Berlim, onde crianças e cãezinhos costumam passear tranquilamente nas tardes de domingo. Mas, nos últimos anos, a área tem atraído cada vez mais traficantes. Como a polícia não consegue resolver o problema, o diretor do parque, Cengiz Demirci, tomou uma decisão radical: pintou o chão com uma linha rosa para determinar onde as drogas podem ser vendidas.

Demirci diz que as linhas servem para que os visitantes não se sintam intimidados pelos traficantes, que normalmente operam em gangues na entrada do parque. "A medida é puramente prática", disse o diretor esta semana a uma rádio local. "Não estamos legalizando a venda de drogas."

No entanto, policiais e autoridades da Alemanha se irritaram com a decisão. Marlene Mortler, czar antidrogas da chanceler Angela Merkel, disse nesta quinta-feira, 9, que a linha rosa dá aos traficantes "uma licença para o crime". Andreas Geisel, que comanda a segurança de Berlim, garantiu que a cidade não adotará a ideia. "A polícia seguirá atuando contra o narcotráfico, inclusive no Parque Görlitzer."

O sindicato dos policiais (GdP) também reclamou. "Para limpar o parque das drogas e da criminalidade é preciso pressão permanente por parte da polícia, determinação da Justiça e apoio político", disse o porta-voz do GdP, Benjamin Jendro.

As últimas administrações de Berlim vêm reafirmando a mesma política de "tolerância zero" com o narcotráfico, especialmente no Parque Görlitzer. Mas os moradores até agora não viram resultado nenhum. E dificilmente verão. Segundo a imprensa local, até os traficantes reclamaram da linha rosa e disseram que não respeitarão a medida de jeito nenhum. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.