Parte de fortuna estaria na Suíça

O ex-ditador da Indonésia Suharto teria um verdadeiro tesouro escondido, boa parte na Suíça. Sua fortuna foi estimada em quase US$ 35 bilhões pela revista americana ?Time?, que o colocou entre os mais ricos do mundo. Uma grande fatia desses recursos foi, segundo a revista, desviado dos cofres públicos durante os 32 anos em que Suharto esteve no poder. A organização Transparência Internacional classificou o ex-ditador como o político mais corrupto do mundo. Seus seis filhos - todos milionários - continuam livres de qualquer processo, na Indonésia e no exterior. Em 1998, com Suharto fora do poder, o governo da Indonésia tentou condená-lo por corrupção e procurou apoio da Justiça suíça. A idéia era congelar os recursos e repatriá-los a Jacarta. Na época, autoridades da Indonésia estimavam que US$ 9 bilhões estariam nos bancos suíços e investimentos em ações e ouro, em outras partes do mundo. Mas o processo nunca foi concluído. A Suíça afirma que a Indonésia nunca provou que a acusação de corrupção contra Suharto tinha relação com o dinheiro na Suíça. Já a Indonésia diz que a acusação estava baseada na transferência de recursos ao exterior, principalmente para bancos suíços.Em 2000, Suharto escapou de uma condenação depois de o Supremo Tribunal considerar que seus problemas de saúde o impossibilitavam de comparecer à Justiça.No ano passado, a então presidente suíça Micheline Calmy-Rey rejeitou uma proposta da Indonésia para um acordo que facilitaria a troca de informações judiciárias na busca dos recursos de Suharto no país. Para o governo suíço, o caso está encerrado, pelo menos enquanto a Indonésia não apresentar novos documentos que provem que o dinheiro de Suharto no país foi obtido por meio de corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.