Partidários de Evo protestam em La Paz

Na frente da missão dos EUA, aimarás exigem extradição de ex-ministro

AFP, EFE E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

10 de junho de 2008 | 00h00

Milhares de partidários do presidente boliviano, Evo Morales, protestaram ontem na frente da Embaixada dos EUA em La Paz por causa do asilo supostamente concedido ao ex-ministro da Defesa Carlos Sánchez Berzain. O protesto veio depois de Sánchez ter afirmado a uma emissora de rádio que, na semana passada, um tribunal americano tinha concedido a ele asilo político. O ex-ministro e o ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada são acusados pela morte de 60 pessoas em protestos reprimidos pelo governo em 2003. Assim como o ex-ministro, Sánchez de Lozada fugiu para os EUA no mesmo ano, depois que seu plano para exportar gás por dutos através do Chile levou à sua queda.Uma multidão de indígenas aimará saiu pela manhã da cidade de El Alto para a vizinha La Paz para pedir a extradição dos dois políticos. Durante a marcha de 12 quilômetros, os manifestantes exigiam, aos gritos, o fim da interferência americana na questão. O protesto também teve a participação de integrantes da milícia indígena Ponchos Rojos (Ponchos Vermelhos) e ativistas de direitos humanos. Ao chegar à embaixada, os manifestantes tentaram romper o cordão de segurança, de 200 policiais, usando pedras e paus como armas. Um pneu em chamas também foi lançado contra os militares. A polícia teve de usar gás lacrimogêneo para dispersar a multidão.A embaixada americana não confirmou nem negou se o ex-ministro obteve asilo político, argumentando que a situação de imigração de Sánchez é uma questão pessoal. O embaixador Philip Goldberg disse que os EUA não comentarão o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.