Partidários de McCain acusam Obama de apelar para questão racial

Assessores do candidato republicanoà Presidência dos EUA, John McCain, acusaram na quinta-feira odemocrata Barack Obama de usar a "questão racial" pararesponder a um anúncio de campanha que o criticou. A disputa entre McCain e Obama, que chega ao fim naseleições de 4 de novembro, adquiriu ares negativos nesta semanaquando o comitê do republicano veiculou um anúncio de TVidentificando no democrata uma celebridade semelhante a BritneySpears e Paris Hilton. Em resposta, Obama disse que McCain tentava assustar oseleitores afastando-os dele. "O que eles estão dizendo é algo do tipo: 'Bem, sabemos quenós não somos lá grandes coisas, mas vocês não podem correr orisco de eleger Obama. Vocês sabem: ele é novo, não se parececom os outros presidentes das notas de dólar e tem um nomeestranho'. Ou seja, esse é basicamente o argumento -- elerepresenta um risco muito grande", disse o democrata emMissouri. Obama, cujo pai era queniano, pode se transformar noprimeiro presidente negro dos EUA. Das notas de dólar, constamapenas homens brancos, a maioria deles ex-presidentes. "Barack Obama apelou para a questão racial, e eledesenterrou-a do fundo do baú. Ela é divisora, negativa,vergonhosa e errônea", afirmou o chefe do comitê de campanha deMcCain, Rick Davis, em uma declaração enviada aos meios decomunicação. O republicanos também defenderam o anúncio veiculado na TV,que chamou muita atenção, e disseram que os democratasexageravam em sua reação. "O anúncio trata da empolgação que ele (Obama) gera, e issoé muito mais parecido com a empolgação gerada por umacelebridade do que por um político normal", afirmou ao canalMSNBC Nicolle Wallace, assessora de McCain. Mas Robert Gibbs, assessor de Obama, afirmou ao programa"Today", da NBC, que o republicano "vem realizando uma campanhacada vez mais desrespeitosa". "Obviamente, o comitê de campanha de McCain decidiu que aúnica forma de ganhar esta eleição é tornar a disputa muitopessoal e muito agressiva. Acreditamos que as pessoas verãonisso mais um capítulo das mesmas e antigas táticas políticas edo mesma postura adotada nos últimos oito anos", afirmou. Os dois candidatos, que disputam a sucessão do presidenteGeorge W. Bush, prometeram realizar campanhas desprovidas dosataques negativos e dos insultos que marcaram algumas dasbatalhas presidenciais recentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.