Mohamed Abd El Ghany/Reuters
Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Partidários de Morsi fazem manifestação de apoio no Egito

Opositores marcaram protestos para o fim de semana e pedem a renúncia do presidente

Agência Estado

28 Junho 2013 | 12h23

CAIRO - Milhares de partidários do presidente do Egito, Mohamed Morsi, se reuniram nesta sexta-feira, 28, numa demonstração de apoio ao governante, antecipando-se aos protestos marcados pela oposição, que devem acontecer neste final de semana.

A oposição pretende levar grandes multidões para as ruas de todo o país no domingo para forçar a renúncia de Morsi. Nos últimos dias, opositores do presidente e integrantes da Irmandade Muçulmana, da qual Morsi faz parte, têm entrado em confronto em várias cidades do delta do rio Nilo, deixando pelo menos cinco mortos. A última vítima morreu nesta sexta-feira por causa de ferimentos sofridos no dia anterior, informaram membros das forças de segurança.

Muitos temem que os confrontos sejam o prelúdio de batalhas mais amplas e violentas no domingo. O clérigo Hassan al-Shafie, da Al-Azhar, uma das mais importantes instituições religiosas muçulmanas do país, advertiu sobre a possibilidade de uma "guerra civil" após os confrontos de rua no delta do Nilo.

O Aeroporto Internacional do Cairo estava cheio de passageiros saindo do país, um êxodo que, segundo funcionários, não tem precedentes. As fontes afirmaram que os voos com destino à Europa, Estados Unidos e países do Golfo Pérsico que decolam nesta sexta-feira estão lotados.

Muitos dos que viajam são familiares de autoridades egípcias e de empresários, além de diplomatas estrangeiros. Vários cristãos egípcios também deixavam o país, informaram funcionários do aeroporto, que falaram em condição de anonimato.

Partidários e opositores do governo prometem se manifestar pacificamente e um acusa o outro pela violência. A manifestação pró-Morsi foi realizada na mesquita Rabia el-Adawiya, no Cairo, não muito longe do palácio presidencial, que é um dos locais onde a oposição pretende realizar seu protesto.

Em seu sermão desta sexta-feira, o clérigo de Rabia el-Adawiya advertiu que se Morsi for deposto "não haverá um presidente para o país" e o Egito vai cair no "inferno da oposição".

Milhares de partidários de Morsi encheram a rua do lado de fora do templo, gritando palavras de ordem de cunho religioso. "Isso é por Deus, não por cargo ou poder", diziam. "Levantem sua voz forte, egípcios: Sharia islâmica". Muitos participantes usavam lenços de cabeça verdes com slogans da Irmandade Muçulmana. /AP

Mais conteúdo sobre:
EgitoMohamed Morsi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.