Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Partidários preparam vigília em hospital para apoiar Cristina

Kirchneristas querem demonstrar na semana que vem seu respaldo à presidente argentina

ARIEL PALACIOS , CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2011 | 03h02

BUENOS AIRES - Dezenas de organizações de militantes kirchneristas preparam uma vigília na frente do Hospital Austral, na cidade de Pilar, na zona noroeste da Grande Buenos Aires, onde a presidente Cristina Kirchner será operada na quarta-feira de um carcinoma papilar no lóbulo direito da glândula tireoide.

A concentração "pela saúde" de Cristina começará na terça-feira. As organizações prometem reunir dezenas de milhares de pessoas, numa demonstração de respaldo popular à presidente, reeleita em outubro com 54% dos votos.

Cristina optou pelo Hospital Austral, com 36 mil metros quadrados de edifícios e jardins, em vez do hospital público Argerich, onde, em 2003, o então presidente Néstor Kirchner inaugurou com toda pompa uma unidade para o tratamento de presidentes do país.

O casal Kirchner sempre preferiu os estabelecimentos privados para seus tratamentos. Esse foi o caso das duas internações e operações da carótida do ex-presidente Kirchner em 2010.

Após ter a alta, a presidente Cristina descansará em El Calafate, vilarejo na Patagônia, para onde viajou ontem e deve passar o réveillon.

Cristina passará o ano-novo com a filha Florência e filho Máximo - que, embora não tenha um cargo formal, é considerado a figura de maior influência no governo de sua mãe. Cristina voltará a Buenos Aires para a cirurgia na quarta de manhã, dia de sua cirurgia. A presidente terá a princípio uma licença de 20 dias.

No entanto, o afastamento temporário da presidência da república seria uma mera formalidade. Cristina, famosa pela centralização de decisões, permaneceria no controle desde o leito hospitalar.

"Seu vice-presidente, Amado Boudou, ficará na presidência interina, mas Cristina continuará no comando real do país, mesmo durante a convalescença", afirmou ao Estado Carlos Pagni, analista político e colunista do jornal La Nación.

Sem mudanças. A oposição não espera mudanças de rumos, mesmo temporárias. Da centro-direita à centro-esquerda, a expectativa no Congresso Nacional é a de que o governo não adote nenhuma medida de peso enquanto a presidente Cristina não retornar.

A deputada Margarita Stolbitzer, da Frente Ampla Progressista, de oposição, considera que Boudou, "que é um leal discípulo (da presidente Cristina), será um bom guarda-costas do patrimônio K". Outro parlamentar, Eduardo Amadeo, do peronismo dissidente, sustenta: "O modelo kirchnerista é um exemplo de centralização absoluta. Boudou não fará nada além daquilo que Cristina lhe permita".

No entanto, o ex-embaixador, escritor e colunista político Jorge Asís, autor de O kirchnerismo póstumo, considera que a licença de Cristina será superior aos 20 dias previstos. "Pelo menos 40 dias", diz.

Pagni afirma que a doença de Cristina, além de blindá-la temporariamente de críticas da oposição e divisões internas do governo e seus aliados, poderá fortalecer a posição política da presidente. "Em 1993, o então presidente Carlos Menem foi operado da carótida. Na ocasião, o ex-presidente Raúl Alfonsín, seu rival, quebrou o gelo e foi visitá-lo no hospital. A doença do presidente permitiu uma distensão no cenário público e possibilitou o Pacto de Olivos (a reforma constitucional) e a reeleição de Menem", ilustra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.