Mahmoud Illean/AP
Mahmoud Illean/AP

Um partido político islâmico pode ser a chave para formar o próximo governo de Israel

Mansour Abbas, líder do Raam, que obteve 4 cadeiras, sugere que pode trabalhar com Binyamin Netanyahu

Steve Hendrix, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2021 | 05h00

JERUSALÉM - Como um dentista muçulmano de uma vila árabe a 15 quilômetros do Líbano acabou se tornando uma potencial peça-chave entre legisladores judeus que lutam pelo poder em Jerusalém?

A surpreendente vitória de Mansour Abbas no centro da política israelense é um efeito da busca desesperada do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu por assentos parlamentares. E pode sinalizar o possível abrandamento do tabu de longa data de Israel contra os partidos judeus que fazem parceria com os partidos árabes.

A contagem dos votos da eleição de terça-feira - a quarta de Israel em dois anos de impasse político - só deve ocorrer na sexta-feira, mas uma contagem preliminar deixou os campos pró-Netanyahu e anti-Netanyahu um pouco abaixo da maioria de 61 cadeiras no Parlamento, o Knesset, necessária para formar um governo. Na luta para encontrar apoiadores, os dois lados estão olhando para as possíveis cinco cadeiras conquistadas pela Lista Árabe Unida, um pequeno partido islâmico liderado por Abbas.

Normalmente, os líderes judeus continuariam procurando. Nunca antes um partido árabe independente foi convidado a se juntar a uma coalizão de governo.

Mas dois membros do partido Likud, de Netanyahu, causaram furor um dia após a eleição ao se recusarem a descartar tal parceria se for a única maneira de evitar mais um impasse e mais uma eleição nos próximos meses.

“É nosso dever fazer tudo o que pudermos para evitar uma quinta eleição”, disse o presidente da coalizão, Miki Zohar, ao site de mídia Ynet. “Todas as opções políticas existentes devem ser exauridas.”

Outros membros da coalizão de direita de Netanyahu reagiram furiosamente a essa ideia - "não enquanto eu estiver por aqui", tuitou Bezalel Smotrich, chefe do Partido Sionista Religioso - enquanto Netanyahu não disse nada.

Netanyahu já quebrou uma barreira nesta eleição ao dar as boas-vindas a Itamar Ben-Gvir, chefe de um partido extremista judeu com raízes no movimento abertamente racista Kahanista, em sua coalizão e potencialmente em seu gabinete.

Na quarta-feira, Netanyahu ficou em silêncio sobre a conversa de seus colegas sobre a ligação com o partido árabe. Ele havia rejeitado a ideia anteriormente, e alguns especialistas políticos interpretaram seu silêncio como uma mudança sutil.

“Ele não disse totalmente não”, observou Aviv Bushinsky, analista político e ex-conselheiro de Netanyahu. “Se é a única maneira de ele obter a maioria, acho que é uma possibilidade válida.”

Abbas diz que está disposto a falar com qualquer pessoa sobre uma possível aliança e tem uma reunião marcada com o líder das facções anti-Netanyahu, o ex-âncora de programa televisivo Yair Lapid, de acordo com relatos da mídia.

“Estamos preparados para manter diálogos com os dois lados, com qualquer pessoa que queira formar um governo e se considerar um futuro primeiro-ministro”, disse Abbas em uma entrevista de rádio. “Se uma oferta for recebida, vamos sentar e conversar.”

Enormes obstáculos permanecem antes que Abbas assine com qualquer um dos lados do espectro político, especialmente a facção conservadora de Netanyahu. Mas mesmo o interesse provisório marca uma mudança significativa em atitudes arraigadas na vida política de Israel.

“Isso é um tabu em Israel”, disse Dahlia Scheindlin, uma pesquisadora de Tel Aviv que defendeu mais participação árabe no governo. “É um avanço que isso esteja sequer sendo contemplado.”

Abbas, de 46 anos, vem de uma pequena vila de maioria drusa no norte de Israel. Ele é um dos 2 milhões de cidadãos árabes que constituem cerca de 20% da população do país. A maioria descende de famílias que permaneceram em Israel depois que muitos palestinos fugiram ou foram forçados a deixar suas terras após a criação do Estado em 1948.

Muçulmano devoto e pai de três filhos,  Abbas fala hebraico e árabe e estudou odontologia na Universidade Hebraica. Ele não respondeu aos pedidos de entrevista do Washington Post.

Desde 2007, ele é o chefe da Lista Árabe Unida, um partido centrado nos valores islâmicos conservadores. Nas últimas eleições, ele fez parte de um grupo de partidos árabes que concorreram com sucesso como entidade única, conquistando o recorde de 15 cadeiras árabes no Knesset mais recentemente, incluindo quatro membros de seu partido.

Mas Abbas teve várias divergências com seus parceiros árabes mais liberais, especialmente quando eles apoiaram um projeto de lei defendido por grupos LGBT para proibir a chamada “terapia de conversão gay”.

Logo depois que novas eleições foram convocadas em dezembro, Netanyahu deu início a um namoro semi-público com Abbas. Os dois falaram em trabalhar juntos para resolver os problemas nas comunidades árabes afetadas por uma onda de crimes violentos e infraestrutura em ruínas. Abbas então anunciou que estava se separando da Lista Árabe Unida para governar de forma independente.

Os críticos acusaram Abbas de ser cúmplice do plano de Netanyahu de fraturar o voto e enfraquecer a influência árabe. Abbas respondeu em várias entrevistas: “Não estamos no bolso de ninguém”.

Aviv Bushinsky, analista político e ex-conselheiro de Netanyahu, imagina um cenário no qual Netanyahu torna Abbas "kosher" para seus parceiros de direita, fazendo-o se desculpar por algumas de suas críticas anteriores ao sionismo.

Mas muitos observadores políticos em Israel dizem que permanece inconcebível que Netanyahu faça Abbas parte de uma coalizão governamental que agora é, com a presença de Ben-Gvir, mais virulentamente anti-árabe do que nunca.

Tal coalizão colocaria aqueles que querem toda a Cisjordânia anexada para assentamento judaico sob a mesma tenda que os partidários de um Estado palestino independente.

“Netanyahu seria refém tanto dos elementos da extrema direita quanto dos elementos da extrema esquerda, e essa é uma receita para o desastre”, disse Reuven Hazan, um cientista político da Universidade Hebraica.

O mais provável, de acordo com vários analistas, é que Abbas ajudaria Netanyahu ao não votar em nenhuma coalizão de centro-esquerda que tente formar um governo. Isso evitaria que o primeiro-ministro fosse substituído e quase certamente resultaria em outra eleição.

Mas seja o que for que Abbas faça, seu relacionamento com Netanyahu já ampliou a abertura para os políticos árabes na política atual.

Historicamente, os partidos árabes operaram fora das coalizões de governo ou mesmo da oposição formal. 

Mas, nos últimos anos, ambos os lados se aproximaram gradualmente. Os partidos árabes geralmente se abstém de votar em uma coalizão judaica. Mas, em 2020, a Lista Árabe Unida apoiou o candidato de centro-esquerda Benny Gantz para se tornar primeiro-ministro.

“Ambos os lados foram barrados em seus boicotes mútuos”, disse Scheindlin. “Mas a parceria árabe-judaica tem sido um tema crescente.”

Em meio a especulações em 2020 de que o partido de Gantz consideraria formar um governo com parceiros árabes, Netanyahu deu a entender que eles estavam trabalhando com os inimigos de Israel. Agora, seus críticos dizem que Netanyahu é quem está se juntando aos inimigos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.