Partido Comunista Chinês comemora 80 anos

Admitindo a crescente influência do setor privado sobre a economia local, o Partido Comunista Chinês comemorou hoje 80 anos de sua fundação. O líder do partido, Jiang Zemin, em discurso a uma platéia de políticos e representantes populares, reconheceu a importância da iniciativa privada e dos investimentos estrangeiros, como mola propulsora dos negócios."Somos os construtores de um socialismo com as características próprias da China", declarou o líder chinês, em discurso transmitido pela televisão a todo o país. Para ele, os comunistas, que contam com mais de 64 milhões de afiliados no país, deveriam aceitar em suas fileiras a "gente talentosa de outros estratos da sociedade e que contam com os atributos para pertencer ao partido".Oitenta anos depois do congresso que concebeu sua criação, o partido luta por manter vigente sua influência em um país que passou por mudanças radicais, como conseqüência de duas décadas de reformas eocnômicas.Os jornais do governo destacaram em suas manchetes, com letras em vermelho, os grandes sucessos do partido, sobretudo no melhoramento da qualidade de vida e em ter transformado a China em uma portência mundial, logo depois que os comunistas chegaram ao poder, em 1949."Sem o Partido Comunista não haveria uma nova China. Sob a tutela do Partido Comunista, a China adotou um rosto completamente diferente", ressaltou Jiang, que deve passar adiante o comando a um sucessor mais jovem no ano que vem.O dirigente, de 74 anos de idade, falou durante quase duas horas, tendo ao fundo bandeiras vermelhas e uma enorme imagem em bronze da foice e do martelo.Jiang deu indícios de que o patido continuará a "resistir" às influências ocidentais para a implantação de um sistema pluripartidarista. Entretanto, mencionou uma série de medidas para frear a corrupção no governo. "Temos que aniquilar a corrupção. Trata-se de algo inadmissível", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.