Partido de Benazir Bhutto estuda sucessor para eleição

O partido de Benazir Bhutto, a líderoposicionista paquistanesa assassinada na quinta-feira, deveestudar neste domingo um sucessor e também decidir se participana eleição, prevista para o dia 8 de janeiro. O assassinato de Bhutto, de 54 anos, num atentado suicida,desencadeou violência pelo país e mergulhou em dúvidas aseleições, aprofundando a crise no Paquistão num momento em quea nação se empenha para emergir de um período de governomilitar. O país é aliado chave dos Estados Unidos na lutacontra o terrorismo. O Partido do Povo do Paquistão, pelo qual Bhutto iriadisputar a eleição, rejeitou as acusações do governo de que elafoi morta pela rede Al-Qaeda. Segundo o partido, o problemáticogoverno do presidente Pervez Musharraf está tentando acobertarseu fracasso em protegê-la. Sem a carismática Bhutto, o partido está desordenado. Umdos filhos dela, Bilawal, de 19 anos, estudante de Direito nauniversidade britânica de Oxford, vai ler o testamento delaneste domingo, mas ele é visto como jovem demais para liderar adinastia cuja história está entrelaçada com a do Paquistão. A escolha do sucessor ficará entre o marido de Bhutto, AsifAli Zardani, e o principal aliado dela, Makhdoom Amin Fahim."Todo mundo no partido sabe que eles têm de se manter agarradosao legado de Bhutto. Sem esse legado, eles não são nada", disseNajam Sethi, editor do "Daily Times". A liderança do partido, cujo encontro deve ser realizado nacidade natal dela, Naudero, no sul do Paquistão, também tem dedecidir se disputa a eleição, se ela for realizada. O partido do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif informou queboicotará a votação e está tentando convencer o PPP a fazer omesmo. Até o momento, o governo não anunciou nenhuma decisão desuspender ou adiar a eleição, mas a Comissão Eleitoral dizestar planejando uma reunião de emergência na segunda-feira. Embora o presidente dos EUA, George W. Bush, tenha exortadoos paquistaneses a manterem a eleição, um porta-voz da CasaBranca disse que cabe às autoridades paquistanesas determinar omomento. Washington encorajou Bhutto, uma política relativamenteliberal para os padrões paquistaneses e uma opositora damilitância islâmica. Ela retornou em outubro ao país do exílioque se impôs, na esperança de se tornar primeira-ministra pelaterceira vez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.