Partido de centro-direita vence eleição na Hungria

O partido de centro-direita Fidesz ganhou a maioria de dois terços do Parlamento da Hungria nas eleições de hoje, segundo informou o Escritório Nacional de Eleição. Com 97,2% das urnas apuradas, a expectativa é de que o Fidesz obtenha 263 assentos da casa legislativa, em um total de 386. Seriam cinco cadeiras a mais do que o necessário para o controle dos dois terços.

AE-AP, Agência Estado

25 Abril 2010 | 17h12

"Podemos prometer que nos esforçaremos para merecer esta confiança", declarou Lajos Kosa, um dos principais políticos do Fidesz, a uma multidão que comemorava a vitória no centro da capital Budapeste. O partido tem, agora, caminho aberto para dar continuidade a planos de combater a profunda recessão, a corrupção disseminada e a ineficiência do governo.

No primeiro turno das eleições, em 11 de abril, o Fidesz ganhou o direito de formar o próximo governo. Mas a maioria legislativa de dois terços permitirá ao partido aprovar projetos sem apoio da oposição.

O Partido Socialista, atualmente no governo, terá 59 deputados no próximo Parlamento. O partido de extrema direita Jobbik ocupará 47 cadeiras e o partido verde "Política Pode Ser Diferente", responderá por 16 postos. Haverá, ainda, um deputado independente.

Após 20 anos desde o colapso do comunismo e das eleições democráticas de 1990, a Hungria está pagando o preço pelo adiamento de reformas, por custosas promessas de campanha e pelo contínuo apelo de um Estado paternalista.

Só um empréstimo de 20 bilhões de euros (US$ 27 bilhões) do Fundo Monetário Internacional (FMI) e de outras instituições salvou o país de declarar default em suas dívidas no fim de 2008. O índice de desemprego recorde e a recessão que fez a economia do país ter contração de 6,7% no ano passado são os maiores desafios para o novo governo.

O Fidesz deverá negociar com o FMI um déficit orçamentário maior do que a atual meta para 2010 de 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. O partido obteve 52,7% dos votos e 206 assentos parlamentares no primeiro turno das eleições, em 11 de abril. No início da manhã, a participação dos eleitores estava em 27,1%, bem abaixo dos 36,3% registrados no mesmo horário nas eleições de 2006.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.