Partido de ex-premiê Sharif lidera disputa no Paquistão

O partido do ex-primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif deve assegurar o maior número de assentos no parlamento nacional, de acordo com resultados parciais das eleições deste sábado, 11. Porém, o ex-jogador de críquete Imran Khan vem demonstrando grande força política, ajudando seu partido a liderar a disputa em vários distritos.

AE, Agência Estado

11 de maio de 2013 | 16h00

Segundo resultados iniciais, a Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz, de Sharif, liderava em 144 dos 272 distritos eleitorais. O partido Tehreek-e-Insaf (PTI), de Khan, que boicotou as eleições de 2008, vencia em 38 distritos, enquanto o Partido Popular do Paquistão (PPP), do governo anterior, vinha assegurando 33 cadeiras.

Candidatos independentes e partidos pequenos lideravam em outros distritos. Se os resultados parciais se confirmarem, Sharif, que foi deposto por um golpe militar em 1999, poderá se tornar primeiro-ministro do país pela terceira vez. "O Paquistão precisa de um governo forte que possa tomar decisões fortes", disse. "Eu quero buscar consenso, mesmo se conseguirmos a maioria (das cadeiras)."

Esta será a primeira vez, desde a independência do Paquistão, em 1947, que um governo civil cumpre um mandato completo de cinco anos e transfere o poder para outro democraticamente eleito.

O Partido Popular do Paquistão, do presidente Asif Ali Zardari, era visto como corrupto e parecia relegado ao terceiro lugar nas eleições, devido ao avanço de Khan. O ex-astro do críquete já garantiu uma cadeira em Peshawar, derrotando um membro do poderoso clã Bilour, que disputava a eleição pelo partido secular Awami.

O comparecimento às urnas ficou acima dos 50%, segundo autoridades, apesar das ameaças do Taleban e de episódios de violência que deixaram pelo menos 19 mortos. Nas últimas eleições, apenas 44% dos eleitores compareceram às urnas.

O Taleban paquistanês concentrou sua campanha de violência e intimidação no PPP e seus dois aliados seculares, a ANP e o Movimento Muttahida Qaumi. No pior ataque durante as eleições, 11 pessoas foram mortas na manhã de sábado com a explosão de duas bombas que tinham como alvo um escritório da ANP na cidade de Karachi. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoeleiçãoNawaz Sharif

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.