Michael Kappeler / POOL / AFP
Michael Kappeler / POOL / AFP

Partido de Merkel começa a escolher novo líder e possível sucessor da chanceler da Alemanha

Depois de quase um ano de manobras, nenhum candidato claro surgiu para liderar a União Democrática Cristã da Alemanha. Três homens estão disputando os votos dos delegados neste fim de semana.

The New York Times, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2021 | 15h00

BERLIM - O maior partido político da Alemanha escolherá um novo líder no sábado, 16, com o vencedor bem posicionado para suceder Angela Merkel como o próximo chanceler da maior economia da Europa.

Independentemente do resultado, será um sinal de um novo capítulo para a Alemanha e a Europa, onde a liderança sóbria, mas firme, de Merkel tem sido uma constante nos últimos 15 anos. Ela conquistou respeito por manter a Europa unida em meio a crises repetidas e, mais recentemente, por ter lidado com destreza com a pandemia do coronavírus no ano passado.

“De certa forma, uma era está terminando”, disse Herfried Münkler, cientista político da Universidade Humboldt em Berlim. “Mas em certas posições básicas, como a situação geopolítica e as condições econômicas dentro da UE, tudo permanece o mesmo, independentemente de quem seja o chanceler.”

Os eleitores alemães vão eleger um novo governo em 26 de setembro, e a conservadora União Democrata Cristã (CDU) de Merkel continua sendo o partido mais popular do país, segundo uma pesquisa do Infratest/Dimap na semana passada.

Merkel liderou o partido por 18 anos, deixando o cargo em 2018. Ela foi substituída por Annegret Kramp-Karrenbauer, considerada sua herdeira política, que anunciou sua própria saída há quase um ano devido a conflitos internos do partido. Desde então, três homens disputam a posição de liderança. Mas nenhum favorito claro surgiu.

Embora os três candidatos pareçam ter muito em comum - todos homens, todos católicos, todos do estado da Renânia do Norte-Vestfália, no oeste da Alemanha - cada um tem uma visão divergente do futuro do partido que governou a Alemanha por 50 dos últimos 70 anos.

Armin Laschet - o centrista

Em termos de experiência, Laschet, governador do estado mais populoso da Alemanha, a Renânia do Norte-Vestfália, desde 2017, tem a mão mais forte. O único candidato que ganhou uma eleição e serviu como governador, Laschet, de 59 anos, tem lutado para gerar entusiasmo por sua campanha.

Ele anunciou sua candidatura em fevereiro passado, ladeado pelo ministro da Saúde de Merkel, Jens Spahn, que se classificou acima da chanceler como o político mais popular da Alemanha em uma pesquisa no final de dezembro. Spahn havia buscado a posição de liderança do partido em 2018, mas desta vez prometeu apoiar Laschet.

A popularidade de Spahn e de outro homem que não está disputando a liderança do partido, Markus Söder, o governador da Baviera, levou altos funcionários democratas-cristãos a desistirem de concorrer a chanceler nas eleições do voto do líder do partido no sábado. Isso significa que quem quer que seja o líder do partido escolhido não será necessariamente o próximo chanceler.

O apoio de Spahn a Laschet deveria angariar o apoio daqueles que viram em Spahn, de 40 anos, uma chance de rejuvenescer o partido. Mas, em vez disso, mudou o foco para um possível cenário em que o ministro da Saúde poderia concorrer a chanceler enquanto Laschet permanece líder do partido.

Laschet é visto como o candidato com maior probabilidade de continuar o estilo centrista de política estável de Merkel. Ele é um forte apoiador da indústria alemã e compartilha da ideia da chanceler de que a Alemanha se beneficia da diversidade e integração.

Firmemente pró-europeu, Laschet também considera um forte relacionamento com a Rússia como fundamental para o sucesso da Alemanha, embora veja os Estados Unidos e a OTAN como essenciais para a segurança duradoura na Europa.

Friedrich Merz - o conservador

Merz, um ex-legislador, é visto como o candidato com maior probabilidade de romper com o estilo de liderança de Merkel e retornar o partido à sua identidade conservadora mais tradicional. Ao mesmo tempo, ele teve que tranquilizar os eleitores de que não se moveria “um milímetro” em direção à alternativa de extrema direita para a Alemanha.

Merz, de 65 anos, não ocupa cargos políticos desde 2002, quando Merkel o afastou do cargo de líder da bancada do Partido Democrata Cristão no Parlamento. Três anos depois, ele trocou a política pelo setor privado, onde acumulou uma fortuna pessoal que minimizou na campanha, retratando-se como classe média alta em vez de milionário.

Ele é o menos popular entre as mulheres, que aderiram ao partido sob a liderança de Merkel e se tornaram um importante bloco eleitoral. Muitos se lembram de que Merz votou contra a criminalização do estupro dentro do casamento em 1997, e Anja Karliczek, ministra da educação da Alemanha, advertiu que sua tendência a fazer piadas sobre questões polêmicas como a imigração poderia ameaçar a coesão do partido.

Mas esse estilo é popular entre os jovens conservadores e o flanco direito do partido, que aceita suas críticas à decisão de Merkel de acolher quase 1 milhão de imigrantes em 2015 e seus apelos para um retorno a uma política fiscal mais rígida.

Defensor de fortes laços entre a Europa e os Estados Unidos, Merz vê com mais ceticismo uma União Europeia profundamente integrada e criticou o recente pacote de estímulo e orçamento de 1,8 trilhão de euros, ou US$ 2,2 trilhões, acordado em Bruxelas, que incluiu a emissão de dívida conjunta - há muito tempo proibido para a Alemanha.

Norbert Röttgen - a zebra

Röttgen, ex-ministro do Meio Ambiente de Merkel, não é visto como favorito, embora recentemente tenha tido uma boa participação nas pesquisas. Provavelmente não é o suficiente, no entanto, para garantir a ele um tiro certeiro na liderança do partido. Ainda assim, o especialista em política externa de 55 anos pode abrir caminho até o topo se a disputa chegar a um segundo turno entre ele e Merz.

Röttgen perdeu seu cargo como ministro do Meio Ambiente em 2012, após um fraco desempenho na disputa para governador da Renânia do Norte-Vestfália naquele ano. Desde então, ele se tornou um importante especialista em política externa no Parlamento e pegou muitos de surpresa quando entrou na disputa pela liderança do partido.

Röttgen conquistou seguidores entre eleitores e mulheres mais jovens, apontando para seu papel em trabalhar para transformar a economia alemã em uma economia movida a energia verde, enfatizando a importância de melhorar a infraestrutura digital e o know-how para posicionar o país para um futuro onde pode competir com a China ou os Estados Unidos.

Röttgen diz que quer construir o partido sobre as questões de diversidade e igualdade defendidas por Merkel, garantindo que os democratas-cristãos conservadores continuem relevantes em face do aumento na popularidade dos verdes, especialmente entre os jovens eleitores urbanos. Ele é a favor da integração europeia contínua e de fortes laços com Washington, mas diz que a Alemanha precisa ter um papel mais forte nas relações transatlânticas.

Ele aumentou seu apelo aos delegados do partido que estão de olho nas eleições com sua disposição de ceder a candidatura a chanceler se for no melhor interesse do partido, enfatizando a importância do trabalho em equipe sobre o individualismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.