Odd ANDERSEN / AFP
Odd ANDERSEN / AFP

Partido de Merkel escolhe líder para início de nova era na Alemanha

1.001 delegados votam em congresso da União Democrata-Cristã (CDU) em Hamburgo, que pode ser decisivo para o rumo do país, já que o vencedor provavelmente representará a legenda na próxima eleição federal

O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2018 | 11h13

HAMBURGO - Após 18 anos de comando, Angela Merkel entrega nesta sexta-feira, 7, a liderança da União Democrata-Cristã (CDU) após votação histórica que escolherá quem a substituirá e terá mais chances de sucedê-la na liderança da Alemanha.

"Aquele que conquistar a presidência do partido mais importante na Alemanha se tornará chanceler no longo prazo", explicou o cientista político Eckhard Jesse, da Universidade de Chemnitz.

Três candidatos disputam a liderança do partido. A primeira é Annegret Kramp-Karrenbauer (conhecida como "AKK"), de 56 anos, secretária-geral do partido, considerada a "Merkel bis", já que defende a mesma linha de centro-direita da chanceler.

O segundo é o milionário Friedrich Merz, de 63 anos, que propõe uma guinada à direita da CDU e do país. Afastado por Merkel no passado, ele deseja retornar à linha de frente após uma década de ostracismo político. Merz acredita que a Alemanha, maior economia da Europa, deveria contribuir mais para a União Europeia (UE).

O terceiro candidato é o jovem ministro da Saúde, Jens Spahn, muito crítico de Merkel, mas suas possibilidades são consideradas reduzidas.

Em outubro, depois de 13 anos à frente da maior potência econômica e política europeia, Merkel anunciou que renunciaria como líder do partido, mas permaneceria no cargo de chanceler, em um esforço para administrar sua saída após uma série de crises desde 2015, quando tomou a polêmica decisão de manter as fronteiras da Alemanha abertas para refugiados fugindo de guerras no Oriente Médio.

O novo líder da CDU será escolhido por 1.001 delegados que votarão durante congresso do partido em Hamburgo. O vencedor provavelmente representará a legenda na próxima eleição federal, marcada para outubro de 2021. 

'Reconhecimento'

"Sinto reconhecimento por ter sido presidente durante 18 anos", afirmou Merkel na abertura do congresso na quinta-feira. "Foi um período muito longo, no qual a CDU passou por altos e baixos", acrescentou.

A chanceler alemã, chamada carinhosamente no passado de "Mutti" (Mamãe) pela imprensa alemã, espera chegar ao fim de seu mandato como chefe de Governo, previsto para 2021. Isso dependerá em grande parte, porém, de seu sucessor à frente da CDU.

Para Jesse, a possibilidade de Merkel concluir seu mandato "está praticamente descartada, pois o SPD (Partido Social-Democrata) não permanecerá na coalizão de governo até este ano".

Diante da pressão do partido de extrema direita Alternativa para Alemanha (AfD) e do Partido Verde (centro), a centro-direita alemã enfrenta um cenário de declínio eleitoral e precisa de um novo impulso.

Ao lado do aliado bávaro União social-cristã (CSU), a CDU tem de 26% a 28% das intenções de voto, de acordo com as pesquisas. Nas legislativas de setembro de 2017, a coalizão recebeu 33% dos sufrágios.

Os social-democratas, que integram a grande coalizão de governo da Alemanha, enfrentam uma grave crise eleitoral.

As perspectivas eleitorais do AfD, a terceira força política no Parlamento alemão após o ótimo resultado em setembro do ano passado, ganharam força com o medo da imigração estimulada pela política de Merkel, que aceitou abrir as fronteiras do país e receber mais de um milhão de sírios e iraquianos entre 2015 e 2016.

Para os aspirantes à liderança da CDU, o principal objetivo é recuperar os antigos eleitores, que agora preferem a extrema direita. 

Por este motivo, Merz questionou o direito de asilo na forma como está definido na Constituição alemã. Kramp-Karrenbauer aposta na proposta de repatriar os refugiados condenados por algum crime, inclusive os sírios.

"Foi um erro levar a CDU para a esquerda, o que permitiu ao AfD se situar à direita sem fazer grandes esforços. Também foi um erro permitir durante meses uma perda de controle nas fronteiras", afirmou a revista Der Spiegel. "A CDU deve reconhecer, embora com isto pareça que vai matar a mãe", completou a publicação. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.