Partido de Oviedo se desintegra no Paraguai

O partido político fundado e dirigido pelo ex-general golpista paraguaio Lino Oviedo está se desintegrando lentamente devido à migração de seus principais líderes para o governista Partido Colorado. A União Nacional de Cidadãos Éticos (Unace), fundada emjulho de 2002 em Foz do Iguaçu, no Brasil, "sofre de um maltípico da política paraguaia - a falta de liderança adequada",disse o senador eleito Víctor Sánchez. Oviedo tem pendente o cumprimento de uma pena de 10 anosde prisão a que foi condenado por sua frustrada tentativa dederrubar o então presidente Juan Carlos Wasmosy, em abril de1996. Com 59 anos, Oviedo tem vivido fora do Paraguai, primeiro na Argentina e em seguida no Brasil, onde se mantém como asilado político.Não obstante, seu partido conseguiu no pleito de 27 deabril 10 cadeiras na Câmara dos Deputados e 7 no Senado, fazendo da Unace a terceira força opositora no país, atrás do Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA) e do movimento independente Pátria Querida. Sánchez, eleito como deputado pela Unace, explicou nestasegunda-feira que seu partido é orientado por Oviedo a partir doBrasil, "mas no âmbito local seus líderes não trabalham, cadaum cuida de seus assuntos particulares, então acontecem asdeserções". Já o deputado Teodoro Rivarola esclareceu que pediu para ser reincorporado ao Partido Colorado "porque já não suporto receber ordens de forma verticalista, de Oviedo. A realidade quevivemos aqui é diferente da que ele vê e sente do Brasil". E oex-defensor jurídico e representante político de Oviedo, CarlosGaleano Perrone, admitiu que "os que militavam na Unace estãovoltando maciçamente ao Partido Colorado". Semanas atrás, ao começar a revoada de oviedistas para o partido do governo, o presidente do Partido Colorado e presidente eleito do país, Nicanor Duarte, havia dito que"abrimos as portas para a entrada de todos que queiramtrabalhar para o progresso do país".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.