Partido de Préval promete aceitar alternância de poder no Haiti

Oposição acusa legenda de fraude; OEA diz que irregularidades não invalidam eleição

estadão.com.br,

30 de novembro de 2010 | 17h14

Haitiano computa votos na sede da Comissão Eleitoral Provisória.

 

PORTO PRÍNCIPE - O partido do presidente do Haiti, René Préval, irá respeitar a alternância de poder no país, disse nesta terça-feira, 30, o coordenador da legenda, senador Joseph Lambert.

Veja também:

lista Conheça os principais candidatos à presidência

blog Gustavo Chacra: Diário de Porto Príncipe

especial Cronologia da história do Haiti

"Somos democratas convictos. Se perdermos a eleição presidencial podemos passar à oposição, ou formar uma coalizão com o vencedor", disse, segundo a AFP.

Candidatos da oposição denunciaram no domingo fraudes para favorecer a situação. A Organização dos Estados Americanos (OEA) atestou irregularidades, mas afirmou que elas não devem invalidar as eleições.

Durante a eleição, ao menos duas pessoas morreram e outras dez ficaram feridas em manifestações contra a desorganização e denúncias de fraude.

Antes da eleição, o candidato de Préval, Jude Celéstin, estava em segundo lugar nas pesquisas, atrás da favorita, a oposicionista Mirlande Manigat.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições no HaitiHaitiRené Préval

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.